Frente de Luta entrega carta ao prefeito Udo Döhler

Publicado em: 21/01/2014 às 06:04
Frente de Luta entrega carta ao prefeito Udo Döhler

pj_1390242622Foi entregue, nesta segunda-feira (20), às 10h30, na Prefeitura de Joinville, uma carta endereçada ao prefeito Udo Döhler que exige a revogação do aumento da tarifa de transporte coletivo, decretado no penúltimo dia de 2013 e que passou a vigorar no dia 11 de janeiro de 2014.

A carta foi assinada pela Frente de Luta pelo Transporte Público, composta por movimentos sociais, como o Movimento Passe Livre (MPL), e outras entidades, como partidos políticos, grêmios e diretórios estudantis, associações de moradores e conselhos comunitários. Cerca de 12 representantes participaram do ato.

O documento questiona a prorrogação do contrato com as empresas que administram o transporte coletivo em Joinville – Transtusa e Gidion. “Reivindicamos a revogação imediata do aumento para seu valor anterior; 14 audiências públicas em todas as regionais da cidade a fim de debater o sistema público de transporte; IPTU progressivo conforme o Estatuto das Cidades; Plebiscito popular a fim de se decidir pela instalação, ou não, de uma empresa pública de transporte.”

De acordo com o psicólogo e militante Sandovan Vivan Eichenberg, a carta é uma cobrança ao prefeito Udo Döhler:

“O prefeito já tinha se comprometido conosco em julho do ano passado a nos contatar quando algo do transporte fosse tratado. Inclusive foi a única coisa que ele se comprometeu diante de vários pontos discutidos, discutir conosco sobre as questões do transporte. Nem isso ele fez, e agora finge que não há manifestações na cidade, ignora que as empresas estão ilegais e ainda assim concede o aumento. Então essa carta é para que ele possa nos prestar esclarecimentos sobre a questão. E salientamos que se nem as empresas estão legais, este aumento muito menos.”

Desde que foi anunciado o aumento, o MPL articulou duas manifestações de rua (uma no dia 8 e outra no dia 15 de janeiro) e promete mais. No ano passado, milhares de pessoas foram as ruas em todo o Brasil para reivindicar pautas populares. Esse movimento começou com a pauta do MPL em cidades como São Paulo (SP) e Porto Alegre (RS), onde os aumentos anunciados foram revogados.

“As manifestações continuam, nesta quarta tem outra, mas ainda é cedo pra dizer o que será. Esperamos o quanto antes uma resposta do prefeito para a valiarmos o quanto o prefeito está comprometido com as empresas ou com a população de Joinville. Nunca houve mobilização tão grande e generalizada no país, com certeza isso inspira, mas sabemos que não é tão simples mobilizar nesse período do ano, escolhido covardemente pelo Executivo para coibir as mobilizações. Mas mesmo isso não impediu que as pessoas fossem as ruas.”

A próxima manifestação está marcada para as 18 horas, com concentração na Praça da Bandeira, ao lado do terminal central.

Confira a carta na íntegra:

Carta ao prefeito Udo Döhler

A Frente de Luta pelo Transporte Público de Joinville vem por meio desta carta exigir do prefeito Udo Döhler a revogação imediata do último aumento da tarifa de ônibus, bem como a reabertura da licitação do transporte, tendo em vista instituir um sistema de transporte público, gratuito e de qualidade.

O aumento decretado no dia 30 de dezembro, que subiu o valor da passagem para R$ 3,00 a antecipada e R$ 3,40 a embarcada, se mostra totalmente ilegítimo, na medida em que se apóia no argumento de que o reajuste seguiria o índice de inflação. Basta olharmos para o índice de inflação acumulada desde 1996 para vermos que, desde então, a inflação subiu 210%, enquanto a tarifa aumentou 400%, praticamente o dobro da inflação, obrigando milhares de pessoas a abandonar o transporte público por não poderem arcar com valores cada vez mais altos. Além disso, contribui para a ilegitimidade desse aumento o fato dos contratos das atuais empresas, Gidion e Transtusa, terem terminado neste dia 8 de janeiro, tendo sido renovados mais uma vez sem passar por uma licitação, desta vez por 180 dias, tempo no qual a prefeitura pretende finalizar o processo licitatório iniciado ainda em 2012.

Dado o caráter ilegal em que atuam as empresas e a iminência da licitação que irá decidir o modelo de transporte pelos próximos 15 anos, exigimos que nenhum aumento seja dado enquanto a transporte não for devidamente discutido com toda população, para que esta possa decidir se quer a continuidade do modelo falido de transporte privado ou um transporte de fato público.

Dado o caráter ilegal em que atuam as empresas e a iminência da licitação que irá decidiro modelo de transporte pelos próximos 15 anos, exigimos que nenhum aumento seja dado enquanto a transporte não for devidamente discutido com toda população, para que esta possa decidir se quer a continuidade do modelo falido de transporte privado ou um transporte de fato público.

Por essas razões, solicitamos a resposta do prefeito Udo Döhler as nossas reivindicações, que se materializam do seguinte modo:

– Reivindicamos a revogação imediata do aumento para seu valor anterior;

– 14 audiências públicas em todas as regionais da cidade a fim de debater o sistema público de transporte;

– IPTU progressivo conforme o Estatuto das Cidades;

– Plebiscito popular a fim de se decidir pela instalação, ou não, de uma empresa pública de transporte.

Frente de Luta pelo Transporte Público de Joinville, 20 de janeiro de 2014

 

Fonte: Portal Joinville.

Foto: Jéssica Michels

Deixe uma resposta