Frantz Fanon e o nacionalismo

os-condenadosPor Thiago Burckhart, Blumenau, para Desacato.info.

O atual momento político é marcado, tanto na Europa quanto na América Latina, pela ascensão da “questão nacional”. Esse feito é levado a cabo por partidos políticos e por representantes que reverberam esse sentimento político nos respectivos cenários nacionais utilizando-se, em grande medida, dos meios de comunicação de massa. Ocorre que o nacionalismo atual não é o mesmo daquele do século XX e nem daquele dos contextos de luta por libertação dos povos na América Latina. Ele assume novas peculiaridades que nos permite concebê-lo a partir da categoria “neonacionalismo”, pelo qual abarca uma série de novas práticas e concepções sobre este fenômeno.

Este neonacionalismo é acompanhado de um sentimento conservador e autoritário, bem como pela manipulação da biopolítica do medo, que assume dimensões xenófobas em diferentes partes do mundo. O interesse pela “questão nacional” nasce hodiernamente como pretexto para a impetração de políticas de segregação e exclusão, de modo a vulnerabilizar os já vulneráveis, e legitimar esta exclusão. A partir disso, vende-se a possibilidade de exercer o poder e ultrapassar a impotência de diversos setores da sociedade, sobretudo aqueles mais desprovidos de capital cultural e intelectual e submetidos aos ditames da lógica econômica que os atinge diretamente (como é o caso do desemprego).

O neonacionalismo ganha adeptos sendo legitimado por essa massa desgovernada de pessoas que buscam a superação de seus problemas, sobretudo de cunho econômico, canalizando a frustração alheia. Representa, no plano simbólico, o suprassumo da possibilidade de recuperar a grandiosidade supostamente perdida de um povo (basta analisar o lema eleitoreiro de Donald Trump “make America great again”). E, no plano material, representa a busca irracional pelo seu próprio bem-estar, já que as políticas de cunho (neo)liberal não se mostram competentes na gestão dessas reivindicações, causando rasgos incorrigíveis no tecido social. Trata-se de uma busca irracional em razão de ser nefasta para a própria nação, que cria bodes expiatórios na forma como prediz Hannah Arendt em Origens do Totalitarismo.

A questão central é que o mal-estar causado pelo neoliberalismo não está sendo vocalizado na luta contra o capitalismo financeiro, mas passa a ser canalizado por um nacionalismo xenófobo e irracional.

Os condenados da terra

Frantz Fanon, pensador francês do século XX, em seu livro “Condenados da Terra” demonstra a importância que o nacionalismo assumiu nas lutas de libertação da África no século passado. Ao analisar em específico o caso da Argélia, Fanon demonstra que o sentimento nacional foi de grande valia para o povo argelino na construção daquilo que o autor chama de consciência nacional. O combate contra o inimigo externo comum, os franceses, somente poderia ser possível mediante a união do povo argelino em um único ideal, qual seja, o de nacionalismo enquanto arma política para a efetiva libertação daquele povo.

Para que o objetivo fosse possível, Fanon aponta o papel necessário e decisivo dos partidos políticos. Para ele, os partidos devem ser utilizados como instrumentos para a politização das sociedades, como forma de mobilização do povo em torno da palavra de ordem de independência. Esse trabalho é imprescindível no contexto pré-independência, pois Fanon tem a plena consciência de que o fim da colonização representa a substituição de um homem governante por outro homem governante, de modo que as estruturas políticas permanecerão vigentes, ao passo que a burguesia assumiria o poder e passaria a exercer uma nova dominação.

Entretanto, Fanon é categórico ao afirmar que a consciência nacional deve ser substituída pela consciência social e política após a conquista da independência dos países africanos. Isso porque a consciência nacional pode assumir consequências nefastas após o processo de independência, pois ela não teria mais razão de ser, pelo menos nas mesmas proporções e sentidos do momento da luta por emancipação. Nas suas palavras, “o nacionalismo, se não se torna explícito, se não é enriquecido e aprofundado, se não se transforma rapidamente em consciência política e social, em humanismo, conduz a um beco sem saída”. Não se trata da morte da consciência nacional ou da nação, pois ainda vivemos nela. Mas, da construção de um programa que visa de fato libertar política e socialmente um povo que já alcançou independência.

Retrocessos nas políticas culturais

A grande problemática que se coloca atualmente no que tange ao neonacionalismo é a possibilidade de retrocessos nas políticas culturais. O pouco que foi conquistado nos últimos anos e décadas a respeito das questões relativas ao multiculturalismo, interculturalismo e inclusão de minorias pode ser perdido em um piscar de olhos neste contexto. A ascensão da xenofobia, do racismo e da intolerância social elevada à consciência política e vociferada por lideranças políticas que podem assumir (ou, que já assumiram) o poder, pode levar ao desmantelamento de uma série de proposições neste terreno que foram efetivamente realizadas.

Thiago Burckhart é estudante de Direito.

Imagem: Os Condenados Da Terra, Frantz Fanon, Ulisseia, Capa por Sebastião Rodrigues, Lisboa, 1961.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.