Fevereiro

Imagem: Pixabay

Por Guigo Ribeiro, para Desacato.info.

Nota-se, gigantesca, é verdade,
A folia chegando
Alguns se indagam sobre ir ou ficar
Outros a estabelecem como calendário
O som respira ao instante de tomar os dias
E as cores, espero, combinaram como meta
O sublime

Escrevo essas linhas sabe lá Deus o motivo
Afinal… convenhamos
O ano nem começou
Óbvio que o ano nem começou
O ano nem começou e já acabou
Já acabou pra tanta gente
O ano já acabou nos corredores de sangue da ação
Da ação carioca de combate ao crime
A ação que combate o crime cometendo crimes
Entende?
A justiça injusta, a execução de uma ordem
A execução de um papel social, uma função
A execução
A execução no pescoço do homem no mercado
Ou, agora pouco, a gravata no pescoço do homem que mandou o outro dar
uma gravata no pescoço de um homem

O ano já acabou quando, de novo, largaram a lama pra matar gente
Pra derrubar a casa da gente
Pra contabilizar corpos de novo
De novo?
Notícias que tomam os jornais
E colocam gente pra se aglomerar no resto do verão numa banca
Enquanto aguardam o ônibus
Ou vídeo
Do instante que a lama desce
De novo
Pra matar
E traz a sensação de que, de novo, não vai dar em nada
E assim nossos pés nos levam pelos dias
E falamos despreocupados do tanto de gente que já tá indo
É quando penso nos meninos mortos pela máquina que queriam deles dinheiro
Não há manto
Não há paixão
Não há nada que apague a morte de meninos
Alocados em um lugar que não deveriam estar alocados
Um local com cara de qualquer coisa
“e agradeça já que a instituição te dá esse hoje”
E o hoje ficou pra trás
Bem assim
Foi como as águas tomando a cidade do Cristo que abençoa todos
E a eminência de outro desabar
Aí olham pro céu e oram

No mais
O presidente foi tirar o saco de bosta
O filho segue na milícia
O amigo saiu
O vice, carnavalesco, vestiu máscara de “parça do certo”
O laranja segue tranquilo
Os laranjas seguem tranquilos
O governador de SP, carnavalesco, veste máscara de mau
– inspiração do presidente –
E brada ser mau
Alguém, por favor, bata o pé com força no chão pra vermos o desespero que adentra esse homem por um bobo barulho, ocasional, e assim se faça seu lado menino medroso?
Ele tem caneta e assinou papel pra baterem em professores
Tal como seus anteriores
No mais seguem doidinhos pra reformar o bolso do pobre
Seguem falando absurdos
Meu Deus! Como falam asneiras!
Caralho! Como “se enganam”
E os bancos guinessbucando em lucro

Agora ouça
Vem chegando o primeiro bloco deste dia
Vamos nos vestir de utopia
Vamos dançar a utopia?
Vamos ser utopia e chamar esse bloco de alegria?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.