Festival em São Paulo exibe gratuitamente artistas que sofreram censura

Promovido pela prefeitura da capital, o “Verão Sem Censura” tem extensa programação e vai até 31 de janeiro

Imagem: Reprodução

A censura às artes, habitual de governos e períodos autoritários, têm se normalizado na gestão de Jair Bolsonaro (sem partido). São diversas as atividades culturais que foram impedidas de serem expostas ao público, de peças teatrais à concertos musicais.

São essas expressões que integram o Festival Verão Sem Censura, organizado pela Prefeitura de São Paulo, de 17 a 31 de janeiro, com atividades gratuitas.

O evento teve início nesta sexta-feira, 17, com os shows de Arnaldo Antunes (que teve seu videoclipe sobre milícias censurado na TV Brasil) e do DJ Rennan da Penha, preso em abril do ano passado, por associação ao tráfico – segundo artistas e ativistas, a prisão do DJ foi uma ação de repressão aos bailes funk do Rio de Janeiro.

Serão mais de 40 atrações até o final do mês. Neste domingo, o teatro ganha destaque na programação.

Programação

Na Vila Itororó, espaço próximo à região central da cidade que sofre tentativas de reintegração de posse, será apresentado (domingo, às 15h) o espetáculo “Blitz, o Império que Nunca Dorme”, da Trupe Olho da Rua. A peça, que critica ações policiais, foi interrompida por agentes de segurança e os atores impedidos de se apresentar.

Outro espetáculo que acontece neste domingo (às 19h, no Centro Cultural São Paulo) é “Caranguejo Overdrive”, peça reverenciada pela crítica, mas impedida de ser exibida no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro, em outubro do ano passado.

A peça conta a história de Cosme, ex-catador de caranguejos no mangue carioca, à época da Guerra do Paraguai, que é convocado para a integrar as forças brasileiras durante o confronto, mas enlouquece e passa por uma grande transformação.

SP x Governo Federal

O secretário de Cultura de São Paulo, Alê Youssef tem afirmado em entrevistas que o evento não é uma resposta ao governo federal. Segundo o secretário, a ideia é explicar o período de censura das artes, clamando por uma pluralidade da cultura no país.

Um dos maiores expoentes dessa repressão governamental às artes é o ex secretário de Cultura, Roberto Alvim – demitido nesta sexta, 17, após a publicação de um vídeo onde fazia reprodução do discurso nazista de Joseph Goebbels, ao anunciar o lançamento de um novo programa de editais de cultura.

Mesmo tendo permanecido menos de três meses à frente da pasta, Alvim deixou legado de editais excludentes, perseguição a “artistas de esquerda” e nomeações esdrúxulas, entre outras medidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.