Eu grito!! Eu vivo!! Eu luto!!

Foto: Caroline Dall’Agnol, para Desacato.info.

Por Elenira Vilela, para Desacato.info.

Cada dia um dia…

Não consigo escrever sobre outra coisa, o texto que publiquei semana passada foi um marco na minha história de muitas maneiras. Você já tinha imaginado como ia ser? Não. Eu tinha um medo grande: me arrepender. Mas isso não aconteceu, nem por um segundo, foi muito difícil, mas é muito melhor do que o tempo que guardei. É como um remédio amargo, muito amargo e dolorido, mas o alívio veio depois. Ainda dói, ainda sinto o alíviando.

Bom, agora eu sei as reações…

Abraços, muitos abraços!! Abraços diferentes, que vêm depois de olhares diferentes, abraços apertados e longos, de pessoas muito próximas, de pessoas distantes, abraços virtuais (leve meu forte abraço, sinta-se abraçada, queria muito estar aí e te dar um abraço).

Existem silêncios, pessoas que eu tenho certeza absoluta que leram e não me disseram nada. Mas existem as falas silenciosas: oi, quero te dar um abraço, mas você entende se eu não disser nada? Você me perdoa por não saber o que dizer?
Não há o que perdoar e é muito simples de entender.

A mais comum foi: seu relato/depoimento é muito forte, muito revoltante, muito triste, muito emocionante, fiquei [email protected]… chorei muito, chorei por horas, só falei com você hoje, porque ontem quando li chorei demais.

Muita gente me contou que gente chorou e que sentiu dor. Dá uma sensação estranha, dar cara para os números da violência que sofremos todos os dias também era uma das coisas que eu queria e se sensibilizou e tocou, então cumpre o papel. Mas é esquisito saber que de uma vez tanta gente chorou com você, por você, por si mesma, por amor, por raiva, por solidariedade, por revolta, por empatia e por impotência.

O texto está tão bem escrito que deu vontade de sair chutando tudo. Isso também me escreveram… que elogio!?

Muitas, mas muitas pessoas mesmo falaram da minha coragem e que aumentou a admiração que têm por mim. Eu entendo o que cada uma quis dizer, da coragem de contar, mas sempre me vem à mente a coisa do não foi coragem, nem falta dela, que me fez viver o que vivi. Acho que desenvolvi alguma coragem em sobreviver e depois essa de conseguir contar, mas foi bem depois. Mas muitas dessas agradeciam, valorizavam, viam a importância, diziam que ajudou, que se sentiam contempladas, agradeciam, agradeciam. Obrigada por falar por mim.

Agora, já esperado, mas a parte mais importante e também a mais difícil são os relatos que recebi. A solidariedade e a cumplicidade da dor. Mulheres que, como eu, viveram violências e vinham me contar. Elas precisam contar para aliviar seu próprio peso e se sentiram à vontade para falar com alguém que passou por coisa parecida. Também contavam pra eu não me sentir sozinha, para nos vermos mutuamente como sobreviventes e nos apoiarmos. Colegas professoras, ex-alunas, companheiras de movimento sindical e social. Eu também fui estuprada, foi pelo meu namorado da época, você lembra dele? Eu também fui estuprada duas vezes na adolescência e na juventude. Tive uma namorada que tinha sido violada quando criança por uma pessoa da família, ela ainda encontra ele com frequência. Vivi um casamento abusivo. Estou ajudando uma mulher a se livrar de um marido abusador. Muitos outros. Também chorei muito ouvindo/lendo os depoimentos, me sentindo impotente e com raiva. Por que isso tem que acontecer? Isso NÃO tem que acontecer!!!

Mas agradeço a cada uma e cada um a confiança, a abertura, o me permitir viver junto. Graças a você, pra mim, essa sua confiança é mais uma tarefa, a luta contra essas violências é um reforço no compromisso que nenhum de nossos rostos esconda mais essas dores, um compromisso de vida. Também agradeço o suporte, o apoio, a preocupação, os carinhos e cuidados, agradeço cada abraço. Sou outra mulher graças a cada uma e cada um de vocês. SORORIDADE, eu entendi e senti o que é isso.

Nunca me senti tão feminista. Apesar das violências sofridas eu demorei a colocar lugar de prioridade do feminismo na minha trajetória, era um bloqueio, era uma reprodução do próprio machismo em mim, que também doía, doía inconsciente e constantemente. Desde 1995, quando estava no Movimento Estudantil, eu me aproximava e me distanciava do movimento e tenho uma vergonha disso, de ter demorado a entender a importância essencial dessa luta como uma luta por liberdade, uma luta civilizatória. Faz tempo que isso vinha mudando significativamente e hoje sou totalmente comprometida com as lutas feministas, sem abrir mão da luta pela superação do capitalismo (que aliás é o feminismo que melhor tem encampado abertamente essa luta) e da revolução!!

Claro que o caso da Marielle me abalou demais e hoje ninguém consegue deixar de falar disso. Não falo dela diretamente, a sua importância e trajetória está contada aos quatro cantos do planeta.

Vou apenas colar aqui o cabeçalho que coloquei quando compartilhei a postagem do Julian Rodrigues no FB:

“Algumas pessoas diziam que para a população pobre e preta nunca existiu Estado de direito e tinham razão. Mas o golpe dado atinge ainda mais brutalmente a essas pessoas.
O primeiro lugar onde a vida piora é onde elas estão. As primeiras pessoas a sentirem a perda de direitos sempre são as que tem poucos direitos e onde essas poucos direitos fazem a diferença mais brutal.

E as primeiras lideranças políticas e do povo a estarem sob ameaça são justamente as que defendem essa parcela da população.

É fundamental saber quem puxou o gatilho. Mas cada pessoa que foi a uma passeata com a camisa da CBF tem sangue nas mãos. Cada pessoa que compartilha a defesa da intervenção militar tem sangue nas mãos. Cada pessoa que propaga discurso de ódio tem sangue nas mãos. Cada um que teve a oportunidade de enxergar o que estava acontecendo e não denunciou e não reagiu e não defendeu quem está sendo atacado pelo golpe que veste toga, carrega microfones e dirige o mercado financeiro tem sangue nas mãos. Cada um que fingiu não ver o golpe para marcar posição ou se fazer de revolucionário tem sangue nas mãos. Cada pessoa que tergiversou a defesa dos atingidos pelo golpe tem sangue nas mãos. Cada liderança ou militante que dificultou a unidade da esquerda pelos seus interesses individuais ou de grupos políticos tem sangue nas mãos.
E ainda haverá muito sangue. Mais sangue do que já havia de pretos e pobres das favelas, mais sangue de mulheres e LGBTs, mais sangue de trabalhadores e trabalhadoras do campo do que já havia, agora misturado com o sangue das lideranças políticas que denunciavam a situação de guerra em que se vive nas favelas e no campo, agora esse sangue terá menos vozes…  Ou mais, se cada um de nós assumir par si ir pras ruas e dizer não ao golpe, não à intervenção militar, não à falsa guerra ao tráfico como desculpa para o encarceramento e o genocídio da juventude negra. Não foi em vão!”

#MariellePresente #AndersonPresente

#SolidariedadeTrabalhadoresDeSãoPaulo

#ForaDoria

Agradeço #StephenHawkings, você vai ganhar uma coluna todinha sua dia desses…

 

Elenira VilelaElenira Vilela é professora e sindicalista.

 

2 COMENTÁRIOS

  1. Elenira

    Dias atrás estava escrevendo algumas observações sobre teu depoimento relativo à violência sexual de que foste vítima, quando ocorreu o assassinato político dramático da Marielle Franco. Como ficamos num estado de comoção coletiva achei conveniente aguardar. Agora, um tanto atrasado, pego o gancho em que fazes uma reflexão sobre as manifestações de solidariedade que recebeste para voltar ao assunto.
    Com o depoimento em que relatas aquele evento dramático de tua vida, sinto-me encorajado a escrever-te como um gesto de apoio e solidariedade que nos caracteriza enquanto companheiros de lutas, de jornadas e projetos de transformação histórica.
    Quebras um silêncio deliberado, um silencio de muitos anos, um silêncio penoso, um silêncio que te custou uma imensa e contínua dor, para agora expor, numa corajosa torrente de palavras, uma violência da qual foste vítima, você e tantas outras mulheres. Vítimas de uma cultura machista, vítimas de pulsões indomadas de homens não contidos por valores civilizatórios, eles próprios vítimas da miséria social, privados de direitos, reduzidos à abjetas condições de vida, que os tornam homens privados de princípios morais, desprovidos de elementares noções de respeito à dignidade e à vida de seus semelhantes.
    Mas é do fundo destes traumas que, em algum momento reemerge – por força de um caráter íntegro, de uma vivaz personalidade e do apoio e solidariedade de tantas pessoas de teu campo afetivo-, uma nova energia que brota do fundo da alma, superando afrontas e violências sofridas e recolocando a vida num curso que pode ser novamente trilhado. Sim, sair deste inferno pessoal foi uma luta prolongada, como relatas, tiveste que te desafiar, elevar-se acima e além de forças que nem sabias possuir.
    Neste longo percurso de transformar a memória sombria daquele episódio em autoconsciência, liberada dos sentimentos contraditórios de vergonha, humilhação, culpa ou impotência, eliminas um pesado fardo e crias um ponto de virada catárquico.
    Esta árdua elaboração interna, pela qual recuperaste tuas condições dignas de vida, é também um indicador de tua resiliência diante das desventuras da vida, das quais ninguém está isento.
    O teu depoimento sobre aquele inominável episódio é um atestado eloquente de quanto tens avançado na superação de suas sequelas, um gesto de despojada grandeza em expô-lo publicamente, para que não apenas um maior número tome ciência das tragédias pessoais e coletivas que se abatem sobre tantos, especialmente sobre as mulheres, mas também sobre enormes contingentes de despossuídos, discriminados, vulneráveis de todo tipo.
    Atitudes como a que tomaste com esta dolorosa revelação, também pode contribuir para expandir uma consciência social, que leve à luta para transformar as condições e as estruturas que tornam possíveis semelhantes atos de barbárie.

    Abraço solidário,
    Remy JF
    Fpolis. 23/03/2018

  2. Elenira Vilela, parabéns pelo seu artigo, sua história, é igual… as mulheres do mundo inteiro ,quero abraçar-te com muito carinho, essa pessoa linda que sempre foste, vai meu convite para criarmos uma página que possa tornar nossos jovens proativos, e não em tristes meliante cujo final, destino são somente fétidas, prisões, escolas do crime.
    y ????Bom Dia, que bom amiga, que foste tu a aparecer, esta manhã com tão lindo texto, a solução está no ensino e no trabalho, e não somente no”choro” arregaçar as mangas e apontar os defeitos e as qualidades: uma avaliação. Sentei no PC com um firme propósito de criar esta nova página. Ocupar-nos o quanto podemos da educação, e convidando a todos a participar, temos bons jovens, formandos ou não, mas cheios de qualidades e talentos, vamos começar a caminhar, para diminuir todos os obstáculos e dificuldades que está fazendo nosso país, um país tão imenso e rico, no pior país do mundo…. há muito o que fazer…. vamos fazer… e sem interesse, apenas o de agregar, já se tornará um país economicamente sustentável para todas as classes, cores, crenças e demais opções… ao trabalho. fica meu convite. beijos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.