Estudo diz que disforia de gênero aparece no cérebro e que “tratamento” parte do respeito às pessoas trans

Foto: Reprodução

Uma pesquisa realizada no Center for Beahvioral Health, da Cleveland Clinic, em Ohio, nos EUA, defende que o sentimento de disforia de gênero de algumas pessoas trans pode ser visto no cérebro. Ela diz ainda que o “tratamento” parte do respeito à identidade de gênero da pessoa trans. 
Disforia de gênero é o termo médico que se refere ao desconforto físico e psíquico de uma pessoa com o próprio corpo, como se ele ou parte dele não estaria compatível com a identidade de gênero (o gênero com o qual a pessoa se reconhece, independente do genital), baseado muitas vezes de imposições sociais externas e em padrões binários e cisnormativos.

“Quando o corpo não concorda com a identidade de gênero, claro que ele acaba incomodando. Mas este não é o único problema. Algumas vezes, mesmo após tratamentos específicos ou cirurgias, as pessoas ainda se sentem disfóricas, por isso acreditamos que a disforia de gênero está no cérebro”, afirmou o pesquisador e médico Murat Altinay.

Desta pesquisa, ele afirma que a disforia de gênero é evidenciada no cérebro a partir das atividades que ocorrem na rede de representação corporal, ou seja, no córtex somatosensório primário, lobo parietal superior e ínsula. Ele sugere ainda que algumas áreas do cérebro “acendem” quando há sentimentos de disforia. E que poderia ser um possível biomarcador neurológico para muitas pessoas trans.

Vale destacar que nem toda pessoa trans possui disforia e que a identificação com o gênero e a vivência dentro dele pode ser muito mais tranquilo caso o ambiente seja acolhedor.

RESPEITO A IDENTIDADE DE GÊNERO 

De acordo com Dr. Altinay, a pesquisa pode ajudar muitos especialistas a diagnosticar o que seria a disforia de gênero e contribuir com o tratamento para o fim dela. Para isso, pacientes com disforia de gênero devem ser ajudados “a viver seu real gênero, o gênero com o qual se identificam”, defende.

A questão é complexa. Isso porque ela estaria diretamente relacionada com erro de predição (quando a pessoa trans quer que a sociedade a veja em sua verdadeira identidade de gênero, mas a sociedade não vê) e dissonância cognitiva (atitudes e crenças conflitantes que levam ao sentimento de desconforto).

Ele diz que o respeito às pessoas trans e a identidade de gênero dela é importantíssimo, pois caso contrário pode desencadear problemas. “Se a disforia de gênero não for tratada, ela eventualmente levará a um transtorno depressivo”.

Neste sentido, vale refletir: se a disforia de gênero está relacionada com o erro da sociedade em reconhecer o real gênero da pessoa trans e que a própria pesquisa reconhece o respeito à identidade de gênero dela, então quem precisa de tratamento? A pessoa trans, que sabe sua identidade de gênero, ou a sociedade que teima em não aceitá-la? Por qual motivo somente o desvio da norma é o único nomeado via diagnóstico? Qual é o tratamento proposto?

Vale ressaltar que pesquisas sobre pessoas trans devem ser avaliadas e divulgadas com cautela, pois podem desencadear interpretações negativas e desencadear implicações transfóbicas. Como associar equivocadamente o fato de alguém ser trans com ter disforia e transtorno depressivo. Sendo que grande parte do desconforto ocorre do contato com a sociedade que não reconhece a identidade de gênero dela, não da própria autopercepção de sua identidade de gênero. O médico reconhece que é preciso mais pesquisas.

CÉREBROS DE PESSOAS TRANS

Assim como outras pesquisas, o estudo também informou que há especificidades em cérebros de pessoas trans, se comparados aos de homens e mulheres cis. Ela informa que o cérebro de pessoas trans seriam um pouco menor que o de homens cis e um pouco maior que das mulheres cis, em relação ao volume total, massa cinzenta e espessura cortical. Estaria no meio desses dois ou como uma terceira possibilidade.

As diferenças aparecem nos hemisférios direito e esquerdo do cérebro, no complexo parieto-temporal, na ínsula e no córtex occipital medial, sendo que o das mulheres trans é menor que o dos homens cis. Os resultados também mostraram que certas áreas cerebrais, bem como hipotálamo, tálamo, córtex óbito-frontal e ínsula estão mais ativos em mulheres trans que em homens cisgêneros.

De acordo com Altinay, a medicina clássica sempre viu o gênero por meio dos cromossomos, genes e órgãos genitais, mas houve uma mudança na ótica e dos estudos. Ele afirma que estão introduzindo o conceito de “gênero cerebral”, uma vez que o discurso é que o “gênero está no cérebro”.

Dra. Manpreet K. Singh, professora-assistente do Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento, e Diretora do programa de Transtornos do Humor em Pediatria na Stanford University, na Califórnia, declarou ao site médico Medscape que pesquisas anteriores já mostraram que o cérebro em geral não está determinado às características de sexo masculino ou sexo feminino ou genitais. Mas que há comprovadamente graus e variantes de características atribuídas ao sexo masculino e ao sexo feminino em diferentes regiões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.