Endurecimento do bloqueio dos EUA a Cuba afeta a Europa

Foto: Reprodução

O governo dos Estados Unidos, presidido por Donald Trump, deve anunciar hoje o endurecimento do bloqueio econômico a Cuba como parte de uma nova rodada de sanções contra o país. A medida permitirá a cubanos que emigraram para os Estados Unidos entrar na Justiça para reaver propriedades expropriadas na Revolução Cubana. No limite, a iniciativa dificultará a entrada de novos investimentos na ilha e ameaça os interesses de multinacionais europeias, principalmente francesas, espanholas e canadenses, com investimentos no país, conforme reportagem do jornal O Estado de S. Paulo.
A sanção consiste, na prática, na ativação de um artigo da Lei Helms-Burton, aprovada em 1996, para punir o regime cubano. A cláusula 3.ª da legislação, no entanto, tem sido vetada por todos os presidentes estadunidenses desde Bill Clinton, republicanos ou democratas. Isso aconteceu porque na época em que a lei foi aprovada, a União Europeia denunciou os Estados Unidos na Organização Mundial do Comércio (OMC). O litígio foi concluído após Washington concordar em bloquear o artigo 3.º em troca do fim do processo. A decisão de Trump romperá esse acordo. O governo norte-americano deve implementar também o artigo 4.º da legislação, que restringe a entrada nos Estados Unidos de pessoas que possuam propriedades confiscadas de cidadãos cubano-estadunidenses.

O anúncio formal deve ser feito hoje pelo assessor de Segurança Nacional, John Bolton, juntamente com sanções à Nicarágua e à Venezuela. Os três países foram designados por Bolton como a “troica da tirania”. Uma fonte da Casa Branca afirmou ontem que Trump não teme ser processado novamente pelos europeus na OMC. “Eles têm o direito de tentar e nós de vê-los fracassar”, disse. “Os europeus estão lucrando há 24 anos com a propriedade roubada de cidadãos estadunidenses.” A medida também é uma tentativa de minar os investimentos estrangeiros em Cuba como punição ao apoio de Havana ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. O projeto, no entanto, pode até mesmo prejudicar algumas empresas estadunidenses que começaram a investir em Cuba depois do processo de abertura conduzido pelo presidente Barack Obama, em 2015.

Entre as maiores empresas com atuação em Cuba estão a rede de hotéis espanhola Meliá, a mineradora canadense Sherrit International, entre outras multinacionais. Ainda de acordo com a fonte da Casa Branca, os processos que devem tramitar na Justiça estadunidense opondo descendentes de cubanos e empresas europeias serão um obstáculo pequeno comparado à mensagem que Trump pretende mandar contra Cuba na comunidade internacional.

O anúncio ocorre em meio a uma ofensiva do regime de Washington na América Latina, que tem como alvo central a Venezuela. O investimento almejado com o acordo selado entre o governo cubano e Obama também não se concretizou em virtude das políticas de Trump para a região, principalmente depois da chegada de Bolton e do secretário de Estado, Mike Pompeo, ao governo republicano. Mesmo assim, o investimento direto em Cuba aumentou nos últimos anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.