Descoloniza Filmes dará destaque a cineastas mulheres

Por Luísa Pécora.

O cinema feito por mulheres estará no centro da atuação de uma nova distribuidora brasileira. Lançada neste mês, a Descoloniza Filmes terá três focos principais: obras realizadas por diretoras, produzidas em países periféricos e com temáticas que contribuam para a reflexão que a empresa propõe já no próprio nome.

“É uma distribuidora com pauta progressista”, resumiu o diretor da Descoloniza, Ibirá Machado, em entrevista ao Mulher no Cinema. “Vamos trazer filmes que contribuam com a desconstrução do patriarcado, com visões além do capitalismo, com conceitos não reducionistas, que façam contraponto à pauta conservadora.”

Geógrafo de formação, Machado começou sua trajetória na distribuição com Bollywood Dream – O Sonho Bollywoodiano(2011), dirigido por Beatriz Seigner, que agora é sócia da Descoloniza. Além de trabalhar durante três anos na Vitrine Filmes, ele coordenou lançamentos independentes como Yorimatã e A Loucura Entre Nós, ambos de 2016. “Fui me dando conta de que existia uma demanda de filmes que não estavam conseguindo distribuidor, mas mereciam um trabalho melhor.”

O primeiro lançamento da Descoloniza, em novembro deste ano, será o documentário Híbridos, coprodução de Brasil e França na qual os diretores Priscilla Telmon e Vincent Moon retratam rituais sagrados brasileiros. Já dos quatro filmes previstos para 2018, dois têm mulheres na direção: a ficção argentina Minha Amiga do Parque, de Ana Katz; e o documentário indiano Um Homem Insignificante, de Khusboo Ranka em parceria com Vinay Shukla.

Julieta Zylberberg como Liz, no filme Minha Amida do Parque (Foto: Reprodução)

O primeiro, que se autodenomina “uma comédia preocupante”, acompanha a aproximação entre a jovem mãe Liz e a operária Rosa após se conhecerem em um parque. Já o documentário narra a trajetória de Arvind Kejriwal, um dos políticos mais controversos da Índia e líder do Partido do Homem Comum.

Outro lançamento da Descoloniza, o costa-riquenho Abraça-me Como Antes, tem direção masculina (de Jurgen Ureña) mas é centrado em duas transexuais, interpretadas por Jimena Franco e Natalia Porras. O catálogo da distribuidora também inclui Rei, filme chileno dirigido por Niles Atallah. Mais informações no site oficial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.