Deputado lê parecer sobre escola sem partido após 5 tentativas; votação é adiada

Foto: Alex Ferreira

Por Fábio Góis.

Deputados finalmente conseguiram promover na tarde desta quinta-feira (22), depois de cinco tentativas, a leitura de relatório sobre o polêmico projeto de lei da chamada “escola sem partido”. Depois de muito bate-boca e até xingamentos na comissão especial pertinente (veja como foi no vídeo abaixo), o deputado Flavinho (PSC-SP) proferiu um resumo da matéria e expediu parecer favorável ao seu conteúdo (veja os principais pontos abaixo). Mas a oposição pediu vista conjunta da matéria e, como reza o regimento, a deliberação foi adiada.

A partir da leitura do parecer, a votação de mérito só pode ser realizada depois do intervalo de duas sessões do plenário da Câmara. Como elas devem se dar nas próximas terça e quarta-feiras, dias 27 e 28, o presidente da comissão, Marcos Rogério (DEM-RO), vislumbrou a possibilidade de nova reunião para votar o relatório na próxima quinta-feira (29).

 

Incluída com prioridade na pauta da comissão especial pertinente, o tema há meses divide não só a Câmara, como também setores da sociedade, e virou símbolo da polarização política que culminou na eleição de Jair Bolsonaro (PSL) – que, aliás, é favorável à proposição. Quarta-feira (21), mais uma tentativa de discutir a matéria fracassou.

A reunião do colegiado se prestou apenas à leitura do parecer. Trata-se de um texto substitutivo formulado pelo deputado Flavinho a partir da proposição original, de autoria do deputado Erivelton Santana (Patriota-BA), com alterações de conteúdo no projeto inicial. Como tem sido recorrente em todas as tentativas de votação do relatório, o clima teve momentos de extrema tensão na sala da comissão especial.

O texto

O novo relatório apresenta regras diferentes para escolas públicas e privadas. Segundo o texto, as mudanças seriam aplicadas em dois anos.

Estão mantidas proibições a professores das escolas públicas e privadas da educação básica, como promover suas opiniões, concepções, preferências ideológicas, religiosas, morais, políticas e partidárias. Também foi mantida a proibição aos termo “ideologia de gênero”, do termo “gênero” ou “orientação sexual”.

Leia a íntegra do parecer

O novo texto também dá maior alcance à lei. Na versão anterior, a lei seria aplicada aos livros didáticos e paradidáticos; às avaliações para o ingresso no ensino superior; às provas de concurso para o ingresso na carreira de professor; e às instituições de ensino superior, respeitada a autonomia didático-científica das universidades. Agora, o novo texto prevê aplicação também às políticas e planos educacionais; aos conteúdos curriculares; e aos projetos pedagógicos das escolas. Se aprovada, a lei passará a valer para todo material didático, e não só aos livros.

Os professores terão ainda que respeitar o direito dos pais dos alunos a que seus filhos recebam educação religiosas e moral de acordo com suas próprias convicções.

As escolas religiosas terão regras diferentes. As escolas particulares de orientação confessional e ideologia específicas poderão veicular e promover os conteúdos de cunho religioso, moral e ideológico autorizados contratualmente pelos pais ou responsáveis pelos estudantes.

Para a direita brasileira, o projeto visa pôr fim ao “doutrinamento político” por parte de professores em sala de aula. Já para a esquerda, trata-se de uma inaceitável interferência da administração pública em ambiente escolar e um atentado a preceitos constitucionais como liberdade de cátedra.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.