Deputado Gelson Merísio manda a polícia barrar entrada dos servidores estaduais no Plenário da Assembleia

Por Sílvia Medeiros, para Desacato.info (texto e fotos)

Spray de pimenta, truculência do presidente da Assembleia e novamente o adiamento da votação do Plano do Magistério. Esse foi o saldo de mais uma mobilização dos servidores do estado que tentam barrar projetos do governador Colombo que retira direitos dos trabalhadores

Mais um capítulo triste para o embate entre o governo do estado e os trabalhadores do serviço público estadual. Não contente em impedir os servidores de acompanhar a Comissão de Constituição e Justiça, dessa vez o presidente da Assembleia Legislativa, Gelson Merísio do PSD (mesmo partido que Raimundo Colombo) colocou um forte aparato policial em frente do plenário e impediu professores, servidores da saúde e da segurança pública de acompanharem a comissão na manhã do dia 08 de dezembro. Como resultado, um triste confronto entre trabalhadores!

O plenário que tem capacidade para 240 pessoas, não estava ocupado nem por um quarto desse público. As cadeiras da galeria superior estavam vazias e apenas alguns trabalhadores conseguiram entrar para acompanhar a votação de projetos importantes, entre eles os Projetos de Lei – PL 517 e 518 que tratam, respectivamente, da instituição de um novo plano de carreira para o magistério público estadual e de novas regras para admissão de professores por prazo determinado – ACTs.

Barrados do lado de fora do plenário, os trabalhadores pediam para acompanhar a votação. Palavras de ordem tentavam sensibilizar os policias militares que a luta é para todos os servidores estaduais, mas o confronto foi inevitável! Na tentativa de entrar no plenário os trabalhadores do estado empurraram os outros trabalhadores do estado, os policiais militares, que para conter o grande número de pessoas, jogaram spray de pimenta em todos. Sem escolher alvo, sem pensar na distância entre o tubo e o rosto dos manifestantes. O tumulto foi grande e maior foi a ardência sentida por todos que estavam na Assembleia, só quem não sentiu os efeitos do gás de pimenta foram os deputados que, protegidos pelo vidro e pelo aparato policial, olhavam os trabalhadores brigando entre eles.

Sílvia 2 a

Ao final da Comissão a deputada Luciane Carminatti do PT, foi conversar com os trabalhadores que protestavam do lado de fora e pediu a eles muita união neste momento em que o governo do estado “tratora” o direito dos servidores estaduais.  Além desses projetos, a deputada Luciane alertou sobre a medida provisória – MP 205/2015, que altera a legislação que trata dos fundos especiais mantidos pelo Estado. “É uma medida que abre possibilidade ao governo do estado de pegar os recursos do caixa e investir para o pagamento de outras políticas, como por exemplo, pegar os recursos do Pré-Sal que são destinados à educação e saúde, como a legislação prevê, e direcioná-los para o pagamento da dívida do estado.”

Essa MP, apesar do apelo da deputada, foi aprovada e segue para análise em plenário. Os projetos de lei que tratam sobre o magistério não foram para votação e voltam para a pauta na próxima quarta-feira, dia 16 de novembro. De acordo com representantes do Fórum dos Servidores Estaduais, que reúne os sindicatos que representam trabalhadores do serviço público estadual, garantiram que continuarão mobilizados para conter a retirada de direitos do governador Raimundo Colombo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.