De passo em passo, até a vitória!

Por Carlos Henrique Pianta.

No último mês, a Unisul viveu um clima de disputa como, talvez, em nenhum outro momento, tenha vivido. A proposta da reitoria de aumento de mensalidade entre 7 e 13% para o próximo semestre mobilizou o Diretório Central Estudantil, Centros Acadêmicos e centenas de estudantes.

De forma inédita, o DCE, assim que notificado da proposta, tratou de passar em sala, realizar assembléias, atos e reuniões. A mobilização foi acontecendo de forma recíproca, os estudantes reconheciam o esforço do DCE em organizar a resistência ao aumento e compareceram, deram idéias, se mobilizaram, enquanto o Diretório Também reconhecia a vontade de luta e de indignação dos estudantes para com a proposta.

O clima de indignação se espalhou rapidamente, ainda da em setembro, após uma assembléia no centro, aconteceu o primeiro ato contra o aumento. Mais de cem alunos das unidades da Palhoça, norte da ilha e centro marcharam em direção ao Ministério Público do estado para entregar a um procurador, denúncias sobre a falta de democracia e de clareza financeira na universidade.

 Durante as semanas que se passavam o assunto tomou conta dos corredores da universidade. Os estudantes, unidos contra o aumento, queriam a continuação das ações em massa, a continuação das reivindicações. O DCE, por sua vez, se dividiu ao máximo para poder dar conta de passar em todas as unidades para informar e anotar sugestões e idéias dos colegas. Ao todo, muita gente que nunca tinha participado do movimento estudantil se interessou e ajudou de forma fundamental na manutenção da resistência estudantil.

Já em outubro, foi organizado outro ato contra o aumento, na unidade da Pedra Branca, em Palhoça. Com mais de duzentos estudantes, a manifestação tomou os corredores do prédio, a praça de alimentação e culminou na invasão do espaço onde estava sendo realizada uma reunião do DCE com a comissão escolhida pela reitoria que negociava o aumento. A mobilização foi muito positiva e os estudantes puderam ver o medo que os cartolas do ensino têm da organização estudantil. Ficaram atônitos, sem ação, sem condições nem de dar qualquer justificativa a massa estudantil que tomava a secretaria da universidade de forma pacífica. Além do ato, o DCE protocolou um ofício no gabinete do deputado estadual Carlos Chiodini, presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto da Assembléia Legislativa de Santa Catarina pedindo audiência pública para tratar da questão financeira da Unisul.

Ao final das negociações, mesmo com o Diretório Central da Grande Florianópolis contrário, foi aprovado um aumento de 9,5% para o ano de 2012. Mesmo não sendo a vitória esperada, não podemos analisar o resultado como uma derrota. Pela primeira vez os estudantes da universidade não só mostraram à administração que têm força, como a si mesmos, o que é mais importante.

A mobilização contra o aumento de mensalidade veio logo após a campanha contra a forma autoritária com quem são realizadas as eleições para coordenadores na Unisul. Ambas fazem parte do projeto político do DCE de democratização da universidade e de expansão da qualidade e da garantia de ensino. Essa mobilização não começou na luta contra o aumento, nem na campanha por democracia nas eleições para coordenadores. Ela inicia de forma institucional, quando a atual gestão, VIRAMUNDO, ganha as eleições. Essa vitória já mostrava a vontade de mudança e a capacidade de união e mobilização dos alunos da Unisul. Todavia, este projeto é anterior às eleições, ele foi criado na união de alunos que estavam em desacordo com a atual situação política e financeira da universidade e contra a conjuntura de inércia política na Unisul, resultado de seguidas gestões de DCE’s acostumadas com os conchavos com a reitoria.

Por tanto, a luta pelos direitos estudantil não pode e nem vai acabar agora. Se o resultado nas ultimas disputas com a reitoria não foram o ideal, toda a mobilização serviu para que a administração universitária e os alunos tomassem conhecimento da força resultante da união estudantil. Conclamamos todos os colegas da unisul de suas diversas unidades a continuar nesta luta conosco. Os problemas da universidade são muitos e não serão resolvidos da noite para o dia, mas com certeza vão ser amenizados cada vez mais, a partir do crescimento da união estudantil.

Um DCE é muito mais que os membros inscritos em sua diretoria é a expressão física e política da indignação e da contade estudantil. Por isso, o DCE VIRAMUNDO convoca o estudantes da universidade a cada vez mais participarem do dia-a-dia da política estudantil na Unisul. Só com o interesse e a participação massiva do corpo discente, conseguiremos alcançar as vitórias justas e desejadas.

1 COMENTÁRIO

  1. Junto a este aumento:mais livros na biblioteca, mais tecnologia disponível, xerox mais barato, refeitório estudantil e para professores,…ou seja, um pouquinho para cada intenção.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.