Da saudade das origens à procura da felicidade

Por Miguel Urbano Rodrigues.

Vi ontem um filme que não vou esquecer. O título, Patagónia, é geográfico. Não esclarecia. Que pretendia ao colocar no DVD aquele filme argentino? Nada. Preencher o tempo vazio de uma tarde de domingo.

Daí a surpresa. Durante quase duas horas, Patagónia arrancou-me de um quotidiano morno, e, em viagem de choque, actuou sobre a imaginação e a memória como uma chicotada, lançou-me numa meditação desordenada sobre História, a brevidade da vida e a complexidade fascinante do amor.

O prólogo do filme confunde, perturba, empurra para veredas desconhecidas.

Recorda que em 1865, pouco mais de centena e meia de galeses partiu de Liverpool como emigrantes, rumo à Patagónia argentina. Desembarcaram numa terra plana, entre o mar e montanhas nevadas, desértica, percorrida por tribos tehuelches de caçadores nómadas, os patagões de Magalhães.

Não é narrada a saga dessas famílias galesas. Mas sabe-se que domaram a natureza hostil das terras austrais, venceram, e delas descendem milhares de argentinos, diferentes dos pioneiros da goleta Mimosa. Criaram uma nova cultura, mas enraizados na originária.

Duas estórias, justapostas, se cruzam no filme. A de um fotógrafo e uma actriz que chegam de Gales atraídos pela grande aventura dos compatriotas que na Patagónia se fixaram há século e meio; e a de uma anciã que chega a Gales, com um adolescente, respondendo a um apelo do sangue, para conhecer a aldeia da mãe que a carregava no ventre, como promessa de vida, ao atravessar o Atlântico.

Que senti, fascinado pelas paisagens patagonicas, pelas personagens e pelo seu caminhar em cenários inesperados?

Em cavalgada de associações de ideias, acompanhando a humanidade profunda de gente tão dissemelhante, a minha reflexão subiu pelo tempo às grandes migrações que na Eurásia, na África, na Oceânia, na América transformaram a vida na Terra.

Tudo, sem elas, teria sido diferente no surgir das civilizaçoes, no seu apogeu, declínio e fim. Para bem e para mal. Com o olhar nos cumes nevados da Cordilheira andina e nas pampas que receberam os antigos galeses, recordei o óbvio. São os povos que colectivamente movem o carro da História. Mas quase sempre eles só em situações excepcionais intervêm colectivamente, como sujeito, para lhe mudar o rumo. No tempo imóvel permanecem passivos e são vítimas do egoísmo, da ambição, da crueldade de insignificantes minorias. As rupturas produzem-se quando a condições objectivas favoráveis se somam as subjectivas. É então que irrompem as grandes revoluções.

E minorias são também os que se opõem ao poder, à exploração do homem e aos actos daqueles concentram os bens materiais e oprimem as grandes maiorias, promovendo a miséria e a desigualdade social.

Assim tem funcionado as coisas desde o alvorecer da História.

Por trás de cada migração massiva é sempre identificável em qualquer sociedade uma crise de escassez ou de fome resultante da opressão, ou de um surto de violência.

Isso ocorreu com a fuga em massa de irlandeses para os EUA em meados do século XIX; com a emigração de milhões de europeus após a Revolução de 1848; com a permanente saída de portugueses e espanhóis para a América do Sul; com as vagas ininterruptas de chineses que inundaram terras do Sudeste asiático; e hoje com o êxodo africano para países da Comunidade Europeia e de latino-americanos para os EUA.

Patagónia tocou-me profundamente porque a temática da integração do imigrante encaminha o espectador para uma meditação sobre o absurdo e a beleza da vida.

Desbravadores de um território quase virgem, os descendentes dos pioneiros galeses argentinizaram-se lentamente. Mudaram, como era natural e inevitável, mas até hoje milhares de cidadãos das comunidades da província de Chubut continuam a falar o gaélico dos antigos celtas, a preservar as velhas receitas dos avós, a cultivar a saudade de uma pátria hoje mítica.

Na estória simultânea do fotógrafo e da actriz, eles de Gales somente têm a origem geográfica. Mas o cenário físico e humano da pampa sulista, encantatório e agreste, actua sobre ambos, transformando-os, golpeando as suas frágeis estruturas psicológicas.

Quanto à senhora idosa que viaja para Gales em busca das origens, na companhia do sobrinho que se sente noutro planeta, encontra a morte, como era sua serena aspiração não assumida, à beira da aldeia tutelar submersa pelas águas de uma barragem.

O final de Patagónia prolonga o convite à meditação. O «casal» que está de passagem, vindo da Europa, acaba, por assimilar uma evidência muito esquecida pelos jovens da nossa maravilhosa e trágica era.

Um episódio banal, inerente à condição humana, força-os a repensar o significado das fronteiras do amor e do sexo. Compreendem, sofrendo, que, sendo a vida uma aventura breve, a melhor opção é utilizá-la na procura da felicidade relativa possível, como já dizia o grego Epicuro há 2500 anos.

 

Vila Nova de Gaia, 15 de Maio de 2012

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.