Crise, pandemia e a necessidade de elevação cultural das massas

Uma única e mesma manchete na maioria dos veículos de imprensa: um furação internacional chamado coronavírus. Lavar as mãos, mudar hábitos, ficar em casa, usar máscara se pintar um resfriado, são medidas relacionadas a um conjunto de práticas educativas e que portanto dependem de conscientização. Porém, o que fazer quando as práticas de prevenção, e a própria quarentena, são materialmente viáveis apenas numa realidade econômica de classe média?

Filtro dos sonhos – Foto: Pixabay

Por. Afonso Machado

Num único cômodo de um bairro operário encontramos dez pessoas dormindo, convivendo juntas. Famílias inteiras de trabalhadores saltam esgotos a céu aberto, passam fome juntos, lutam para que a soma do suor do trabalho converta-se no dinheiro necessário para obter uma única barra de sabão. Estes e outros fatos da vida dos trabalhadores brasileiros, colocam o problema sanitário no plano do combate político , colocam as questões de saúde num âmbito em que a aquisição de cultura torna-se uma arma pela vida.

A crise do sistema capitalista agravou-se mediante o coronavírus. Se a economia no capitalismo é em si a negação da vida, negação expressa na escravidão assalariada, a pandemia surge para agravar a saúde de uma civilização que já que está de cama há muito tempo. Mas enquanto as grandes Companhias e multinacionais se descabelam perante o infeccioso quadro histórico que anuncia uma recessão internacional, a classe trabalhadora que percebe dolorosamente esta crise, se vê obrigada a mudar o seu entendimento da vida, do mundo. Perante o fato dos setores de serviços ser o mais economicamente abalado na crise(e tais setores correspondem atualmente a um papel central na dinâmica do Capital) o novo proletariado sugado neste campo da economia, se vê diante da necessidade de um revolvimento ideológico: a cultura apresenta-se como possível fonte de oposição política.

As necessidades sanitárias, inseparáveis das questões econômicas e sociais, são incompatíveis com as formas de misticismo e ignorância. O atual abalo do capitalismo, a nova pandemia, não podem ser assistidos dentro de uma linguagem forrada pelas imagens do Antigo Testamento.

Compreender nossa existência nas atuais circunstâncias dramáticas, exige um amplo esforço cultural que é compatível com a crítica, com a análise objetiva, com medidas educativas, com imagens que contribuam com o conhecimento revolucionário da história. Em outras palavras, uma parte significativa do proletariado que está apartado dos seus instrumentos clássicos de luta(sindicatos, partidos etc) encontra a prova de fogo da sua consciência política/de classe na elevação cultural no seu dia a dia. A tomada de consciência para evitarmos o contágio do coronavírus é a mesma que leva á conclusão que o capitalismo já deu o que tinha que dar: é um sistema que leva boa parte da população mundial a ser sacrificada por doenças, pela fome.

Naturalmente que fica difícil aprofundar esse combate político na atual conjuntura. Mas já que precisamos ficar em casa para evitar o contágio da doença, a responsabilidade da militância cultural adquire um vulto ainda maior: é nestas circunstâncias que devemos estimular através de recursos digitais a leitura, o estudo, o debate nas redes sociais. Ou seja, tendo em conta o contexto online, precisamos compreender que este é um momento em que a classe trabalhadora só irá desacreditar das palhaçadas bonapartistas, só irá pegar nojo daqueles que copiam a linguagem do imperialismo norte americano , só irá abandonar as fantasmagorias do conformismo religioso, se aprofundar suas experiências culturais: é hora de difundir romances, poemas, obras históricas/ filosóficas, o conhecimento científico em torno da Biologia, da Medicina, da Psicologia etc.

É toda a cultura que deve ser apropriada pela classe trabalhadora a fim de elevar a sua consciência histórica. Esta necessidade cultural não se restringe obviamente aos trabalhadores do Brasil: ela diz respeito aos trabalhadores de outros países latinos americanos, aos trabalhadores da Europa , dos Estados Unidos, da China, enfim aos mais diversos povos asiáticos, africanos etc. O objetivo histórico deste trabalho cultural é fortalecer os lanços internacionais dos trabalhadores, educar a sensibilidade e engrossar o caldo político de um projeto anticapitalista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.