Comissão julga 32 pedidos de anistia de vítimas da ditadura

Agência Brasil .- A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça está analisando 32 pedidos de anistia por perseguição política em Florianópolis (SC). “Permitimos que [as vítimas] usufruam do microfone. É um trabalho comunitário que os conselheiros fazem”, disse Paulo Abrão, presidente da Comissão . Ele também é secretário nacional de Justiça. Esta é a 59ª Caravana da Anistia e a segunda que ocorre na capital catarinense.

Entre os 32 pedidos está o dos jornalistas Jurandir Pires de Camargo e Sérgio Antônio Rubim do jornal O Estado de Santa Catarina. Eles denunciaram ter sofrido censura e demitidos em uma cobertura da manifestação conhecida como Novembrada contra o presidente João Figueiredo (1979-1985). A manifestação foi reprimida pelas forças de segurança e dezenas de pessoas foram presas.

Também está sendo analisado o pedido de Lanny Olinger, que alega ter sido perseguida e violentada, quando tinha 16 anos, na época da prisão do seu pai por agentes da repressão. Outra vítima do regime militar, Altamiro da Luz Andrade Neto, diz ter sido prejudicado profissionalmente por ter sido considerado moralmente incapaz durante o alistamento militar e que tem isso documentado em seu certificado de isenção do serviço militar.

Segundo Paulo Abrão, o Brasil está vivendo um processo de construção da verdade de histórias que até então estavam escondidas. “Muitas vítimas da repressão, que estavam caladas no passado, se encorajaram para fazer suas vozes ouvidas novamente. Na  caravana é quando temos a oportunidade de reconhecer a responsabilidade do Estado nos crimes cometidos. Estamos resgatando a confiança destas pessoas”, disse.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.