Com bloqueio de verbas, universidades federais cancelam bolsas, suspendem transportes e fecham restaurantes

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está revendo contratos com terceirizadas e suspendeu passagens e diárias para cursos e eventos, a não ser em casos extremos.

Foto: Marcelo Camargo/Ag. Brasil

Por Plínio Teodoro.

O corte de 35% das verbas de custeio decretado pelo governo Jair Bolsonaro no início de maio já causa reflexo na vida de estudantes e na infraestrutura das universidades federais, que encontram dificuldades até mesmo para pagamento de contas de água e luz.

Reportagem de Júlia Marques, Tulio Kruse e Fábio Bispo, no jornal O Estado de S.Paulo desta segunda-feira (15), mostra que o bloqueio dos recursos feito pelo ministro Abraham Weintraub tem causado dificuldades para as instituições pagarem funcionários nas áreas de segurança e limpeza.

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) suspendeu o programa de intercâmbio dos alunos e restringiu viagens viagens para cidades a mais 300 km de distância. Neste mês, os serviços do restaurante universitário foram suspensos.

+ Future-se: mais um ataque a educação!

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está revendo contratos com terceirizadas e suspendeu passagens e diárias para cursos e eventos, a não ser em casos extremos. Em junho, a universidade anunciou a suspensão dos programas de mobilidade internacional por causa do contingenciamento. Intercâmbios para o ano de 2020 também não serão liberados até que os bloqueios sejam revistos.

Na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) três ônibus que faziam o trajeto entre as unidades de Diadema quebraram e a frota não foi recomposta. Audiências públicas serão realizadas pela universidade em agosto para informar estudantes e professores sobre o impacto dos cortes.

+ MEC deve anunciar plano de mensalidade para universidades federais

Na Universidade Federal de Goiás (UFG), há incômodo com a infraestrutura. Sem poda, o mato alto cria insegurança e a redução de vigias aumenta o risco de furtos. A UFG admite atrasos no pagamento de prestadores de serviço e, para economizar, recomendou até desligar o ar-condicionado durante a manhã e à noite.

Leia a reportagem na íntegra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.