Cacique Kaingang é assassinado no Rio Grande do Sul

6
Antônio Mg era cacique há 20 anos da comunidade e foi vereador em Ronda Alta (Foto: Lucas Cidade / Rádio Uirapuru)
O cacique Antônio Mg Claudino, de 57 anos, da Terra Indígena de Serrinha, no norte do Rio Grande do Sul, foi assassinado cinco tiros na noite de segunda-feira (20). Enquanto conversava com um amigo dentro da reserva indígena, por volta das 21h. Uma mulher teria aguardado no carro, um homem não indígena desconhecido se aproximado e efetuado os disparos, o casal não foi identificado. Ele foi socorrido e encaminhado ao hospital, mas não resistiu.
Existe suspeita de que o crime foi cometido por disputas de terra, pois o cacique havia feito denuncias sobre ameaças que estava sofrendo. As tensões na Terra Indígena de Serrinha por causa do arrendamento de terras para plantio de soja é antiga, embora autorizada pela Justiça Federal em 2015 com validade até maio deste ano.
A terra indígena fica entre os municípios de Ronda Alta, Três Palmeiras, Engenho Velho e Constantina. Ela foi desapropriada há pouco mais de 20 anos, depois que indígenas kaingang fizeram acampamento na RS-430 pedindo demarcação. A região foi demarcada como território indígena pelo governo do Estado em 1908, mas entre 1941 e 1961, a Secretaria de Agricultura  dividiu o território em lotes, distribuídos aos colonos da região. A terra só voltou para o o povo kaingang em 1996.
Antônio Mg era cacique há 20 anos da comunidade e foi vereador em Ronda Alta pelo Partido dos Trabalhadores – PT. A Prefeitura Municipal de Três Palmeiras decretou luto oficial de três dias pela morte do cacique. O corpo do cacique foi sepultado na tarde de terça-feira, em Ronda Alta, na sede da Terra indígena de Serrinha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.