Bom e mau?

Na segunda-feira à noite, também entrevistei a coordenadora do Comitê de familiares de detidos desaparecidos em Honduras (Cofadeh), Bertha Oliva, na sede do comitê. Apesar do aparente cansaço, Bertha conversou bastante tempo comigo e acho que a parte dos Direitos Humanos estará bem representada no trabalho.

*publico fotos, assim que a conexão melhorar.

Cara a cara com o bandido?

Na terça-feira (8) pela manhã, tinha entrevista com militar chefe das Forças Armadas de Honduras, na época do golpe militar, Romeo Vásquez Velasquez.  Atualmente, ele é diretor da Hondutel, empresa telecomunição e tecnologia da informação do governo hondurenho. Além de ter demorado muito tempo para nos atender, logo avisou que teria que ser muito rápido (como 10 minutos) e foi a clássica fonte sabonete. Mas temos aí o outro lado, não é?

 

Mais uma mulher na luta pelo Jornalismo

À tarde, a conversa foi com a esposa de David Romero Ellner e jornalista do Cholusat Sur (Canal 36, fechado pelos militares no golpe), Lidieth Diaz. Na época, Lidieth ainda trabalhava na Rádio Globo e vivenciou a experiência como jornalista e esposa. Ela era correspondente da Casa Presidencial (ainda com Manuel Zelaya) e com a tomada do poder por Roberto Micheletti, passou a enfrentar grandes dificuldades para exercer seu trabalho, inclusive, foi retirada à força da casa e impedida de entrar outras vezes.

6 COMENTÁRIOS

  1. Oi Larissa,

    Continuo acompanhando tuas notícias. Que bom ler teus escritos. Tiua Chola te manda um beijo.
    Beijão
    Tio Ribas

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.