Terceirização da merenda no estado

Por Larissa Cabral

Audiência debate terceirização da merenda na rede pública estadual

Governo afirma ter intenção de reverter o processo, que aumentou os gastos públicos e que desvaloriza a agricultura familiar catarinense

 

Nesta quarta-feira (17), uma audiência pública realizada na Alesc, pela Comissão de Educação, Cultura e Desporto, debateu a privatização ou terceirização da alimentação escolar na rede pública estadual de Santa Catarina. Empresas paulistas terceirizadas passaram a ser responsáveis pela merenda escolar do Estado, em 2010 e atualmente, os reflexos dessa ação é motivo de polêmica entre os catarinenses.

O sistema adotado pelo Governo do Estado, no ano passado, está na contramão das políticas nacionais, que buscam a valorização da agricultura familiar, desenvolvimento dos municípios e a qualidade da alimentação. O governador Raimundo Colombo já anunciou que tem intenção de reverter o processo e retornar com o sistema de auto-gestão, possivelmente no próximo ano.

De acordo com Secretaria de Estado da Educação (SED), para que isso seja possível, neste segundo semestre de 2011, a Secretaria irá analisar diversos pontos, como orçamento e equipe, para então apresentar uma proposta ao governador. Com base nesse estudo da SED, Colombo irá decidir sobre a possibilidade ou não de adotar novamente a auto-gestão.

O debate reuniu a comunidade escolar, deputados, prefeitos, lideranças dos Movimentos Sociais, do Conselho Regional de Nutrição, representantes do governo federal e do Estado.

Situação em debate

A audiência desta quarta-feira foi uma iniciativa da bancada petista, com a liderança dos deputados Dirceu Dresch e Luciane Carminatti. A reunião mostrou experiências municipais que deram certo com a auto gestão da merenda escolar e discutiu os problemas do atual sistema de gestão adotado pelo Estado.

Segundo dados da SED, após a terceirização, os gastos com a merenda passaram de cerca de R$ 70 milhões para quase R$ 150 milhões. Além do aumento dos gastos públicos, entre os problemas consequentes da terceirização da merenda escolar, estão a queda na qualidade dos alimentos, o aumento da quantidade de produtos industrializados, a desvalorização da agricultura familiar e da mão-de-obra local.

As condições e a qualidade da alimentação foi um ponto levantado pela coordenadora estadual do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte), Alvete Bedin. “Temos um relatório que mostra as condições precárias das cozinhas, a situação dos professores que não podem comer a alimentação feita pelas empresas, do desperdício e da má qualidade dos produtos usados”.

Ao final da audiência foram encaminhados 10 pontos:

– Fiscalizar o processo de privatização/terceirização da merenda escolar na rede estadual;

– Manifestação pública no sentindo de reforçar para que o Estado mantenha a decisão de suspender os contratos com as empresas que fazem a gestão da alimentação escolar;

– Apoio aos três projetos de leis que estão tramitando na Alesc. Um determina que 50% dos produtos da merenda sejam comprados da agricultura familiar, outro determina que 20% sejam produtos agroecológicos e o terceiro, que proíbe a privatização da merenda na rede estadual de ensino.

– Gestão articulada entre a Secretaria de Estado da Agricultura e da Educação.

– As Secretarias de Desenvolvimento Regionais (SDRs) sejam responsáveis pela aquisição dos produtos e elaboração do cardápio.

– Fomentar o debate sobre a importância do papel do nutricionista na elaboração do cardápio escolar.

– Realização de concurso público para contratação de merendeiras.

– Cobrar a implantação de política estadual para o incentivo e fortalecimento da agroindústria familiar.

– Investigar o destino dos recursos que são repassados para a compra da merenda escolar

Histórico

Em maio de 2011, a deputada Luciane (PT/SC) protocolou um Projeto de Lei proibindo a privatização da alimentação escolar, que ainda está tramitando nas comissões da Assembleia Legislativa. De acordo com a deputada, o custo da merenda escolar privatizada é duas vezes maior quando comparado com o sistema de autogestão. “Dados da Secretaria de Educação do Estado mostram que antes da terceirização, o custo unitário por refeição era de R$ 0,74, após, este valor aumentou 110%, passando para R$ 1,55”.

O processo de terceirização da merenda escolar das escolas estaduais de Santa Catarina (aproximadamente 1.260) teve início com o lançamento do edital, em 2008. Em fevereiro de 2010, a terceirização começou a funcionar de forma efetiva. Para isso, o Estado foi dividido em quatro macrorregiões, cada uma delas assumida por uma das quatro empresas paulistas, que venceram a licitação para o serviço: Coan, para a região do Vale do Itajaí e Litoral; Convida, para a região Norte, Risotolândia, para o Sul e Nutriplus, no Oeste.

Segundo a SED, as empresas que agora administram a merenda escolar são responsáveis por todo o processo, desde a seleção do alimento, até o transporte, seleção de funcionários, equipamentos, entre outros. No antigo sistema de auto-gestão, essas questões, inclusive a seleção de merendeiras, eram realizadas pela Associação de Pais e Professores (APPs), sob responsabilidade da direção da escola.
Colaboração e foto: assessoria de imprensa da deputada Luciane Carminatti

COMPARTILHAR
Artigo anteriorCalar a risada lúcida
Próximo artigoCrise na UFSC

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.