Atividades da 3ª etapa da especialização em realidade brasileira finalizou ontem, dia 30

Foto: Reprodução UFFS.

Iniciou no dia 20 finalizando ontem, 30 de janeiro a terceira etapa do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Realidade Brasileira. O curso é ofertado na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Laranjeiras do Sul e tem como objetivo promover a formação de profissionais que atuam nas escolas de educação básica e em espaços educativos não formais, bem como lideranças e educadores populares vinculados aos movimentos sociais e sindicais, especialmente os camponeses e egressos dos cursos de graduação de instituições públicas federais e estaduais do Paraná.

A especialização conta com discentes oriundos de 20 municípios dos estados do Paraná e Santa Catarina, entre eles professores das redes municipal e estadual de educação, representantes dos movimentos sociais e organizações sindicais. Atualmente 40 estudantes frequentam o curso.

A especialização é ofertada em regime de alternância (Tempo Universidade e Tempo Comunidade). O curso foi organizado em 3 etapas presenciais, desenvolvidas em período integral. A primeira etapa ocorreu entre os dias 22 e 31 de janeiro de 2018. A segunda etapa foi desenvolvida entre os dias 16 e 25 de julho de 2018 e a terceira etapa iniciou no dia 20 e terminou ontem, 30 de janeiro de 2019. As aulas, hospedagem e alimentação aconteceram no Centro de Desenvolvimento Sustentável e Capacitação em Agroecologia (CEAGRO) – Unidade Vila Velha, localizado na BR 158 – km 435, no município de Rio Bonito do Iguaçu, Paraná.

Conforme a coordenadora adjunta do curso, Ana Cristina Hammel, “essa foi a última etapa do curso. Após esse período os estudantes voltam a se reunir somente em maio para a defesa das bancas dos artigos”. A docente comenta que o curso é ofertado em parceria com a APP-Sindicato, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA).

Conforme Ana, “a especialização busca qualificar professores, militantes dos movimentos e camponeses para as principais teorias e teóricos que escrevem sobre a constituição histórica, econômica e social do Brasil”. Ana enfatiza que “o curso teve um excelente aproveitamento, foi uma experiência importante, pois possibilitou a articulação de diferentes públicos de todo estado do Paraná e também de Santa Catarina”.

Sobre a atuação dos docentes, Ana comenta que “além dos professores do Grupo de Pesquisa em Educação do Campo, Cooperação e Agroecologia (GECCA), tivemos a participação de outros docentes da UFFS e também de outras instituições, sendo que no total mais de 20 docentes estiveram envolvidos na oferta do curso”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.