Mortes de crianças indígenas é 56% maior do que de não-indígenas

4
O índice de mortes entre os pequenos índios foi 56% maior do que o de crianças não-indígenas da mesma idade. Foto retirada do site Racismo Ambiental.

Por Gisele Rodrigues.*

Seminário neste fim de semana discutirá temas como mortalidade infantil e educação escolar diferenciada

Em média, três mortes foram registradas a cada 100 internações de crianças indígenas este ano, no Amazonas, conforme apontou o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), do Ministério da Saúde (MS). A taxa de mortalidade por 100 hospitalizações se refere a crianças indígenas de até quatro anos. Até outubro deste ano, esse índice de mortes entre os pequenos índios foi 56% maior do que o de crianças não-indígenas da mesma idade. 

Segundo o banco de dados do MS, a morte de crianças indígenas de até quatro anos de idade dobrou em 2016. Saltou de quatro mortes para oito – comparando os meses de janeiro a outubro deste ano e de 2015.

Segundo o MS, em 2016, 64% das mortes infantis indígenas ocorreram antes das crianças completarem um ano. Esse número de mortes era ainda mais preocupante nos primeiros dez meses do ano passado, quando 100% dos falecimentos foram registrados em crianças de até um ano.

Este ano, o município com o maior número de mortes de crianças de até quatro anos foi São Gabriel da Cachoeira (2), região conhecida pela grande população indígena. De acordo com o MS, 135 internações de crianças menores de um ano foram realizadas no Estado, sendo 23 em São Gabriel da Cachoeira, 15 em Atalaia do Norte e 12 em Barcelos, os municípios do interior com maior número de hospitalizações de crianças nessa faixa.

A taxa de mortalidade infantil indígena do Datasus é calculada em razão do número de pacientes da população nativa internados, e não da totalidade de crianças indígenas.

Seminário

Neste fim de semana a mortalidade infantil indígena, educação escolar diferenciada e bilíngue, o acesso a saúde, direitos e geração de renda para indígenas que residem em área urbana, serão temas debatidos na V Assembleia Geral Ordinária da Coordenação dos Povos Indígenas de Manaus e Entorno (Copime), que será realizada na Aldeia Inhã Bé, Rio Tarumã Açú, em Manaus.
Segundo a organização, todas as comunidades indígenas de Manaus e do entorno estarão presentes na Assembléia para discutir temas como: desafios e perspectivas do movimento indígena a nível local, regional e nacional; direito dos povos indígenas; geração de renda, atividades produtivas sustentáveis, dentre outros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.