A parada da diversidade no país da hipocrisia

Publicado em: 13/09/2011 às 11:27
A parada da diversidade no país da hipocrisia

Por Lívia Monte.

Neste último domingo dia 11 de setembro de 2011, ocorreu em Florianópolis a parada da diversidade. Quero desde já deixar claro, caro leitor, que eu não compareci. E diferente dos anos anteriores, assisti a festa pela janela com a impressão de estar em pleno mês de fevereiro no carnaval.

No país da hipocrisia chamado Brasil, as semelhanças entre parada da diversidade e o carnaval vão muito além do álcool e das fantasias, são dias em que é permitido aquilo que não é considerado de boa conduta nos outros dias do ano. Falando de forma mais clara, no caso da parada, pelo menos por um dia, você tem direito a não ser heterossexual.

Digo isso caros leitores, porque sim, vivemos em um país de maioria preconceituosa, onde existe o pior tipo de preconceito: o hipócrita. Por preconceito hipócrita entenda aquela pessoa que não tem nada contra o homo afeto, mas se sentiria desrespeitado ao levar uma cantada de uma pessoa do mesmo sexo. Ou aquela pessoa que não tem preconceito contra negros e delata com orgulho que até possui amigos negros, embora jamais aceite que seus entes queridos se relacionem com eles matrimonialmente.

Enoja-me que no país da hipocrisia a parada da diversidade seja vista por muitos como apenas  uma festa exótica ,cujo o lema do ano de 2011: “por que seu amor pode e o meu não?”, só mereça voz durante um dia no ano.

Mas, o que esperar de um país que começa com hipocrisia no nome? Afinal, alguém já viu um pau Brasil? Não sei quanto a vocês, mas eu vi um, certo dia, em um museu de botânica.

Imagem: http://verdadeirascores.blogspot.com/2009_09_01_archive.html

 

3 Comentários para "A parada da diversidade no país da hipocrisia"

  1. livia   13/09/2011 at 23:31

    Olá Zé do Mangue,

    Acredito que o sexo explícito, a falta de educação e de respeito são praticados por várias pessoas independente da orientação sexual.
    A parada visa garantir o direito das pessoas de escolher outra orientação sexual que não a heteronormativa,sem que corram o risco de serem espancadas ou chamadas de bizarras em comentários na internet.

    Responder
    • Zé do Mangue   14/09/2011 at 10:17

      Oi Livia,
      Sim bizarros, não teria outra forma de chamar esse tipo de pessoa, por experiencia própria, não que eu seja homossexual, mas convivendo em ambiente comum por obrigação.São porcos, promiscuos, não tem como aceitalos, gritam para todos como se a escolha deles fosse a opção mais certa do mundo, sem generalizar, conheço alguns discretos, mas se a escolha deles é esta que fiquem pra eles! e dinheiro público é para saúde, educação, segurança e não parada da diversidade.

      Responder
  2. Zé do Mangue   13/09/2011 at 15:55

    Ola,
    Esta parada da diversidade com recursos publicos é sim um retrocesso da democracia em nosso pais.Os eteros não saiem nas ruas gritando que exigem o direito de serem eteros eles simplesmente são!Se a pessoa que ser homossexual é uma escolha dela mas que fique pra ela o desejo de sua escolha sexual, é sim um desrespeito a quem não tem nada com isso, essa campanha existente na midia para as pessoas aceitarem os homossexuais.Quem convive com esse tipo de gente e ve os absurdos praticados por eles como sexo explícito, falta de educação e respeito a quem não concorda com suas opções não pode de maneira nenhuma aceitar este tipo de movimento. Querem ser homosexuais que sejam e fiquem na sua, voces são bizarros!!!

    Responder

Deixe uma resposta