A execução de Marielle: o golpe em novo patamar

Por Viegas Fernandes da Costa.*

A execução da vereadora carioca Marielle Franco coloca o golpe parlamentar em um novo patamar. Um novo velho, diga-se. Em meio à intervenção militar federal no Rio de Janeiro, os fantasmas dos esquadrões da morte se anunciam enquanto o general Souza Braga manifesta seus receios em relação a uma nova “Comissão da Verdade”. Uma comissão que nunca puniu ninguém, salvo nas rusgas morais que provocou na memória que fixa galardões em fardas. Como disse o filósofo Vladimir Safatle em palestra proferida na Universidade Federal de Santa Catarina na última quarta-feira (14/03), o Brasil nunca prestou contas com sua história e a ruptura com a ditadura militar não aconteceu, de modo que vivemos um longo período de “transição democrática”, monopolizado pelo populismo e que manteve na Constituição de 1988 os dispositivos legais que conferem ao Exército o papel garantidor de lei e da ordem. E cá estamos nós, nação baratinada, sem projeto e com os sonhos destruídos, no dia em que os Juízes Federais convocam greve para defender o privilégio de um auxílio moradia próprio das cortes absolutistas.

 + Vladimir Safatle: A única saída para o Brasil é a democracia direta

Marielle Franco, mulher, negra e oriunda das comunidades marginalizadas, militava na causa dos direitos humanos e criticava a truculência de um Estado que calça botas. Foi executada, e o sujeito social que denunciava é o mesmo que agora investigará seu assassinato. O que esperar?
2013 surgiu como uma janela de oportunidades para se defender o golpe de 2016. A truculência policial contra os manifestantes que reivindicavam o passe livre atingiu os olhos da mídia, este partido que nunca se submeteu ao pleito eleitoral. A mídia, partido, tomou partido, como sempre, e capitalizou a pulsão, a revolta popular e organizou as classes médias em torno do projeto de desmonte do populismo e em defesa do Estado de exclusão. Este mesmo partido da mídia já percebeu a força que a execução da vereadora Marielle pode ter para retirar a nação da letargia em que se encontra, e busca repetir a estratégia de capitalizar e organizar a indignação que adotou em 2013. Por isso a necessidade das forças de esquerda assumirem o protagonismo da luta e o projeto de futuro.

A execução de Marielle e o receio manifestado pelo general Braga de que se instaure nova comissão da verdade mostram o rompimento da possibilidade do diálogo. O populismo enquanto mecanismo de gerenciamento dos conflitos e das frustrações está esgotado neste momento histórico do Brasil. O campo de batalha pertencerá àqueles que souberem ocupá-lo.

* Historiador

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.