8 obras da literatura indígena brasileira para crianças e jovens

Por Thais Paiva.

Apresentar, desde a primeira infância, o vasto e rico universo cultural dos povos indígenas do Brasil e as especificidades de sua produção literária é um caminho importante para despertar entre crianças e jovens reflexões sobre as identidades indígenas construídas por índios e não índios ao longo de séculos e, desta maneira, romper estereótipos.

A pedido do Centro de Referências em Educação Integral, a especialista em Literatura Indígena, Janice Thiél, autora de Pele Silenciosa, Pele Sonora: A literatura indígena em destaque (Ed. Autêntica, 2012), selecionou as seguintes obras da literatura indígena brasileira para leitura e discussão nas escolas:

1. Das crianças Ikpeng para o mundo. Marangmotxíngmo mirang: um dia na aldeia Ikpeng.

A partir do filme de Natuyu Yuwipó Txicão, Karané e Kumaré Ikpeng
De Rita Carelli (adaptação e ilustrações)
São Paulo: Cosac Naify, 2014. (Coleção Um Dia na Aldeia)

Nessa obra, as crianças Ikpeng guiam o leitor para que experimente 24 horas em sua aldeia, no Mato Grosso. O filme – feito pelas crianças Ikpeng -, bem como o livro (em edição bilíngue) são ideais para apresentar a cultura do povo Ikpeng para crianças de todas as culturas.

2. Olho d’água: o caminho dos sonhos

De Roni Wasiry Guará
Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012

Vencedora do 8º Concurso Tamoios de Textos de Escritores Indígenas, essa obra narra tradições e diferentes tempos vividos pelo povo Maraguá, do Amazonas. Por meio de um texto poético, o narrador permite que conheçamos um pouco dos anseios, das decepções e esperanças de seu povo, que teve a vida afetada pelo contato com o não-índio.

3. Awyató-pót: histórias indígenas para crianças.

De Tiago Hakity
São Paulo: Paulinas, 2011 (Coleção o universo indígena. Série raízes)

As narrativas dessa obra apresentam a trajetória de vida e as aventuras de Awyató-pót, guerreiro valente do povo Mawé, do Amazonas. O texto possibilita o conhecimento de histórias relacionadas a mitos de origem e à construção de um personagem que procura defender seu povo e promover a continuidade de sua cultura.

4. As fabulosas fábulas de Iauaretê

De Kaká Werá Jecupé. Ilustrações de Sawara
São Paulo: Peirópolis, 2007

Essas fábulas sobre a onça-rei Iauaretê foram narradas oralmente por Kaká Jecupé à sua filha, Sawara, e ambos colaboraram para selecionar os textos que compõem o livro, ilustrado por Sawara. A obra inclui histórias divertidas e relacionadas a temas relevantes, como vida, morte, coragem e paz.

5. Irakisu: o menino criador.

De Renê Kithãulu. Ilustrações do autor e das crianças Nambikwara
São Paulo: Peirópolis, 2002. (Coleção memórias ancestrais: povo Nambikwara)

Esse livro, o primeiro feito pelos Nambikwara, que moram no Mato Grosso e em Rondônia, apresenta narrativas de origem e tradições desse povo. O texto destaca as diferenças culturais e linguísticas dos povos indígenas e valoriza as identidades construídas pela voz de cada povo nativo.

6. Coisas de índio: versão infantil

De Daniel Munduruku
São Paulo: Callis, 2003

Essa obra descreve o dia-a-dia, visões de mundo, aspectos culturais, sociais e políticos dos povos indígenas em uma linguagem acessível e clara. O autor discute o que significa ser índio e destaca a importância de se valorizar as diferenças étnicas, culturais, sociais e linguísticas dos povos nativos brasileiros.

7. As serpentes que roubaram a noite e outros mitos.

De Daniel Munduruku. Ilustrações das crianças Munduruku da aldeia Katõ.
São Paulo: Peirópolis, 2001. (Coleção memórias ancestrais: povo Munduruku)

Esse texto inclui mitos de origem narrados por anciãos do povo Munduruku. As histórias promovem o aprendizado sobre sua cultura e representam a memória e o sentido da vida para esse povo. Aspectos culturais, literários, sociais e linguísticos dos Munduruku são apresentados para que o leitor conheça um pouco mais sobre a vida na aldeia.

8. A palavra do grande chefe: uma adaptação livre, poética e ilustrada do discurso do Chefe Seattle.

De Daniel Munduruku e Mauricio Negro (adaptação).
São Paulo: Global, 2008.

Essa obra é uma adaptação do discurso vinculado ao Chefe Seattle, indígena norte-americano, e apresenta uma visão crítica sobre o modo de o Chefe perceber como a terra tem sido tratada pelo não-índio. O texto promove a defesa do meio ambiente e de todos os seres que habitam a terra, e alerta para a necessidade de se desenvolver consciência e atitudes de proteção da vida.

Sugiro que, para trabalhar com essas obras, o professor elabore atividades para as etapas de pré-leitura, durante a leitura e pós-leitura.

Na etapa de pré-leitura, é importante realizar a contextualização das obras. Os alunos podem realizar pesquisas sobre os povos indígenas, discutir o título da obra e os elementos visuais da capa para inferir os temas das histórias.

Durante a leitura, os alunos podem ser orientados a observar a relação entre as histórias narradas e as ilustrações, além de comparar as informações sobre os povos indígenas com aquelas apresentadas em livros de história e livros didáticos, a fim de desconstruir visões de mundo eurocêntricas e estereótipos.

Na etapa de pós-leitura, os alunos podem preparar projetos, com base em temas e discussões realizadas em grupos, e apresentá-los por meio de ilustrações, pôsteres, apresentações musicais e dramatizações.

Janice Cristine Thiél é especialista em literaturas indígenas brasileiras, doutora pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), professora titular de Letras da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e autora do “Pele Silenciosa, Pele Sonora: A literatura indígena em destaque”, publicado pela Autêntica.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.