“Se você não for cuidadoso…

Publicado em: 22/10/2011 às 18:22
“Se você não for cuidadoso…

 Por Laerte Braga.

… Os jornais farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas e amar as pessoas que estão oprimindo”. Malcolm X. Um dos principais líderes muçulmanos dos EUA, assassinado – lógico – pela ação das forças democráticas e cristãs que governam aquele país, hoje um departamento do conglomerado ISRAEL/EUA TERRORISMO S/A.

As características do mundo neoliberal hoje confirmam o diagnóstico preciso de Guy Débord em seu extraordinário “A SOCIEDADE DO ESPETÁCULO” (Contraponto, RJ). “O espetáculo hoje é uma permanente Guerra do Ópio para fazer com que se aceite identificar bens e mercadorias; e conseguir que a satisfação com a sobrevivência aumente de acordo com as leis do próprio espetáculo. Mas, se a sobrevivência consumível é algo que deve aumentar sempre, é porque ela não pára de conter em si a privação. Se não há nada além da sobrevivência ampliada, nada que possa frear seu crescimento, é porque essa sobrevivência não se situa além da privação; é a privação tornada mais rica”.

Ou, “o consumidor real torna-se consumidor de ilusões. A mercadoria é essa ilusão efetivamente real e o espetáculo é sua manifestação geral”.

Duas funcionárias de uma empresa espanhola, na província de Múrcia, entraram em juízo por terem sido obrigadas a pendurar um cartaz no pescoço com a palavra “banheiro” todas as vezes que iam ao dito.

A empresa controla o tempo de permanência no banheiro através de um sistema de impressão digital que registra a entrada e a saída, logo o tempo de permanência e ainda recomenda às trabalhadoras que bebam pouco líquido para diminuir a quantidade de vezes que necessitam ir ao banheiro.

As autoridades espanholas afirmam que vão tomar providências e investigar o fato.

É uma característica do crime organizado e legalizado. O dos bancos, grandes corporações e dos latifundiários em países como o Brasil. A escravidão em formas diversas, mas sempre escravidão.

Não existe banqueiro, ou grande empresário, ou latifundiário que não seja criminoso. Todos são.

Em vários países do mundo empresas controlam o próprio ciclo menstrual das mulheres e determinam o salário – para baixo – a partir do conceito que nesse período a produtividade cai e os riscos são maiores.

No Iraque, “libertado” pelos norte-americanos na operação “Choque e Pavor”, as mulheres iraquianas vivem o dilema da falta de salários, dos atrasos nos pagamentos, na nova ordem imposta pelo grupo ISRAEL/EUA/TERRORISMO S/A.

Há alguns anos, em Minas Gerais, o então governador Hélio Garcia, diante de uma greve de professores, referiu-se ao movimento como “coisa de mulher mal amada”. Isso por conta do fato da maioria dos grevistas serem mulheres.

Ele próprio, Hélio Garcia, protagonizou um deprimente e ao mesmo tempo hilário espetáculo numa churrascaria de Belo Horizonte. Abandonado por sua mulher passou a beber diariamente e ao encontrar-se com o deputado Leopoldo Bessone, que vivia então com sua ex, atracou-se com o parlamentar sem saber que Bessone também já havia sido abandonado. Separados, acabaram juntos numa das mesas da churrascaria, bêbados ambos. No dia seguinte Bessone foi designado para uma das secretarias do governo de Minas.

“Que país é este?” A frase é de Francelino Pereira, produto da ditadura militar, servo fiel dos militares, ligado ao general Ernesto Geisel, por isso indicado governador de Minas, o último governador indireto.

Francelino questionava ações dos partidos e movimentos sociais contrários ao regime militar. A frase valeu um notável poema de Affonso Romano Santana.

Banqueiros, empresários e latifundiários brasileiros se valem da mídia para uma tentativa de recriar a Marcha da Família com Deus pela Liberdade. Agora a campanha contra a corrupção. À frente o grupo dos irmãos Marinho (GLOBO). A coté quadrilhas de menor porte. VEJA, FOLHA DE SÃO PAULO, RBS, ESTADO DE MINAS, REDE BANDEIRANTES, ÉPOCA, ISTO É, etc.

O deputado Roque Barbierie do PTB jogou sujeira no ventilador. Afirmou em entrevista coletiva que “todo deputado tem seu preço” e comparou a Assembléia Legislativa de São Paulo (onde mais?) seu estado, a um “camelódromo”. “Isso aqui é igual camelô, cada um tem seu jeito”. Falou sobre venda de emendas que beneficiam empreiteiras, bancos, latifundiários, excrescências desse naipe.

O governador do estado, Geraldo Alckimin, integrante do grupo fascista OPUS DEI é um dos que, sem ser deputado, chefia um departamento de outro complexo, o de banqueiros, empresários e latifundiários que controlam o Estado, a máquina administrativa, privilegia empreiteiras do peito (e da propina), um esquema FIESP/DASLU. Contrabando, chantagem, extorsão, etc, etc.

Esse quadro não muda em boa parte dos estados brasileiros e nem no Congresso Nacional.  A maioria dos parlamentares é de fato como camelô, cada qual tem seu jeito e seu preço. Não é o caso de deputados como Chico Alencar, Brizola Neto, ou do senador Eduardo Suplicy e outros, independente de partidos e eventuais discordâncias. Mas é a minoria decente.

O conjunto de vestais ensandecidas que organiza a tal marcha contra a corrupção é uma espécie de retorno de vampiros, agregando alguns inocentes úteis, que em 1964 atendendo a determinações de Washington e sob comando dos norte-americanos deram um golpe de estado e derrubaram o governo de João Goulart.

Goulart havia resolvido pegar o touro do capitalismo a unha e enfrentar a verdadeira máquina corrupta que permeia o Estado brasileiro, através de um programa chamado então de “reformas de base”.

Beira a histeria muito mal contida o canto dessa gente.

Para que exista um Roque Barbieri e principalmente um PTB como o de hoje, é necessário que exista quem compre esse tipo de gente. E quem compra esse tipo de gente quer moldar o Brasil segundo seus interesses.

O que o grupo GLOBO representa? O que disse Malcolm X. Veicula o ódio aos que são oprimidos e o amor aos que oprimem.

O espetáculo descrito por Guy Débord.

A corrupção é parte intrínseca do modelo político e econômico. Sem ela o capitalismo não sobrevive. É o regime da competição. Leva quem paga mais, ou quem vende por menos.

Tanto faz que seja o sabão que lava mais branco, ou o carro que supera todos os outros. Isso até o aviso de recall.

Pode ser o supermercado que explora trabalhadores num regime desumano, cruel e sem entranhas. Ou o latifundiário que se vale de trabalho escravo, grila terras públicas, desmata e produz transgênicos com agrotóxico.

O deputado e o senador corruptos. O governador, o prefeito, o vereador, os juízes e ministros assim, são produtos desse modelo e dessa gente. Os mesmos que marcham contra a corrupção. Querem apenas a chave do cofre e o poder de oprimir.

O desejo de embasbacar o trabalhador no espetáculo da tecnologia sem necessidade (é claro que existe a necessária), mas a do espetáculo voltado para o show.

No Peru, na década de 60, a OMS – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE – constatou altos índices de desnutrição entre crianças (bebês inclusive) desde que a Coca Cola chegou a partes daquele país. Substituiu o leite na alimentação infantil. Força da propaganda, do modelo vendido como símbolo de status. Ou o tijolo, aquele cheio de furos, que o trabalhador transformava em rádio de pilha falso com uma antena de arame, para não ficar deslocado em seu meio, entre as pessoas que tinham rádios transistorizados. Uma reportagem de Bernardo Kurscinsky mostrou isso no extinto jornal OPINIÃO.

Se um político venal como José Sarney é o presidente do Senado, isso é o resultado desse jogo. Entre outras “propriedades” Sarney é sócio da GLOBO e dono da GLOBO no Maranhão. Era amigo íntimo de Roberto Marinho.

Não adianta berrar contra a corrupção num festival de rock se o organizador do festival, Roberto Medina, tem um histórico, ele e a família, de corrupção e ligações com a ditadura militar.

É necessário berrar, aí sim, contra os corruptores. Os que compraram Aldo Rebelo na relatoria do novo Código Florestal. Defendem interesses de bancos, empreiteiras e latifúndio no Congresso.

E nisso, por melhor ou menos ruim que seja, até pela sua história, o PT é cúmplice. Mas a luta não passa pelas viúvas histéricas de 1964, os torturadores que se escondem atrás da saia da anistia na bravura patriótica da canalhice.

Passa pelo movimento popular, pela organização popular, passa por ir às ruas e enfrentar os verdadeiros bandidos. O supermercado CARREFOUR, como os outros, também regula idas ao banheiro de seus funcionários. Mede tempo, toda essa barbárie escravagista.

Nos EUA os cidadãos comuns começam a acordar e a perceber o que significa o todo do complexo terrorista. O poder predador dos que controlam o Estado, o nazi/sionismo de EUA e Israel, ou de Israel (maior acionista) e os EUA.

Querem tomar Wall Street.

Na Grécia os gregos resistem ao assalto que promovem contra seu país, contra os trabalhadores.

E assim em vários pontos do mundo.

O rei Juan Carlos de Bourbon não é afetado por esse processo corrupto que é o capitalismo. Faz caçadas em um lugar montado para tal na Suíça e paga cinco mil dólares por búfalo abatido.

“Se você não for cuidadoso” o lobisomem do capitalismo pega você e você vai odiar a pessoa errada, amar a podridão de banqueiros, empresários e latifundiários, nessa campanha sórdida da mídia privada. Corrupta e comprada por eles.

O corrupto é o resultado do corruptor. Dois habeas corpus para Daniel Dantas e um para um médico que estuprou mais de duzentas mulheres. O ministro que concedeu as ordens? Gilmar Mendes.

Amigo da GLOBO.

Imagem: paginadoenock.com.br

 

 

Deixe uma resposta