Venezuela responde a Trump: ninguém deterá a Constituinte

No texto, a Venezuela classifica o comunicado como “insólito” e repleto de “pobreza conceitual e moral”. Também acusa os Estados Unidos de estarem cavando “um fosso” nas relações entre os dois países.

Em entrevista coletiva em Caracas, o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Samuel Moncada, anunciou que que seu país fará “uma revisão profunda” das relações com o governo dos EUA. “Não aceitaremos humilhações de ninguém”, disse.

“O governo dos Estados Unidos mostra, sem pudor, sua parcialização absoluta com os setores violentos e extremistas da política venezuelana, partidários do uso do terrorismo para derrocar a um governo popular e democrático”, diz a nota venezuelana, lida pelo chanceler.

De acordo com o texto, “a ruína moral” da oposição venezuelana tem levado o Trump a cometer “uma agressão aberta contra um país latino-americano”.

Desafiando as ameaças norte-americanas, o Ministério de Relações Exteriores reafirmou a convocação da Constituinte, alegando que se trata de algo prevista na Carta Magna do país. “É um ato de soberania política da República, nada nem ninguém poderá detê-lo”, afirma a nota.

A Venezuela ainda convoca os povos de todo o mundo a “entender a magnitude da brutal ameaça contida neste comunicado imperial e a defender a soberania, a autodeterminação e a independência, princípios fundamentais do direito internacional”. Confira abaixo a íntegra:

COMUNICADOREPUDIO AO ERRÁTICO COMUNICADO EMITIDO PELO GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS CONTRA A PÁTRIA DE BOLÍVAR

A República Bolivariana da Venezuela repudia o insólito comunicado publicado pela Casa Branca, ontem dia 17/07/2017.

Trata-se de um documento nunca visto antes, que por seu baixo nível e péssima qualidade, dificulta a compreensão intelectual das intenções do país agressor. Obviamente, o governo dos Estados Unidos está acostumado a humilhar a outras nações em suas relações internacionais e acredita que vai receber como resposta a subordinação a que está habituado. O fosso que o governo dos Estados Unidos está cavando em suas relações com a Venezuela dificulta uma racional predição de suas ações para toda a comunidade internacional.

O governo dos Estados Unidos mostra, sem pudor, sua parcialização absoluta com os setores violentos e extremistas da política venezuelana, partidários do uso do terrorismo para derrocar a um governo popular e democrático.

A ruína moral da oposição venezuelana tem arrastado ao Presidente Trump a cometer uma agressão aberta contra um país latino-americano. Não sabemos quem pôde ter redigido, nem muito menos autorizado, um comunicado de tanta pobreza conceitual e moral.

O magro véu democrático da oposição venezuelana tem caído, e revela a força brutal intervencionista do governo americano, o qual esteve detrás da violência sofrida pelo povo venezuelano nos últimos quatro meses. Não é a primeira vez que denunciamos e confrontamos ameaças tão desatinadas como as contidas neste insólito documento.

Fazemos um chamado aos povos da América Latina e do Caribe, e aos povos livres do mundo, a entender a magnitude da brutal ameaça contida neste comunicado imperial e a defender a soberania, a autodeterminação e a independência, princípios fundamentais do direito internacional.

O poder constituinte originário está contemplado em nossa Carta Magna e só compete ao povo venezuelano. A Assembleia Nacional Constituinte será eleita pelo voto direto, universal e secreto de todas as venezuelanas e todos os venezuelanos, sob a autoridade do Conselho Nacional Eleitoral como o contempla nosso ordenamento jurídico. É um ato de soberania política da República, nada nem ninguém poderá detê-la. A Constituinte Vai!

Hoje o povo venezuelano é livre e responderá unido ante a insolente ameaça exposta por um império xenófobo e racista. O pensamento anti-imperialista do Libertador se encontra mais vigente que nunca:

“Os Estados Unidos parecem destinados pela providência
a infestar a América de miséria em nome da liberdade”
Simón Bolívar
Caracas, 18 de Julho de 2017

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.