Venezuela: manifestação opositora tem destruição de prédio público e ataque a jornalistas

Publicado em: 09/04/2017 às 11:36
Venezuela: manifestação opositora tem destruição de prédio público e ataque a jornalistas

Em Diário Liberdade.

Foto: DEM/Twitter

O protesto opositor deste sábado (08) na zona leste de Caracas causou a destruição do prédio da Direção Executiva da Magistratura do Tribunal Supremo de Justiça e também contou com agressões de manifestantes a profissionais da imprensa.

A sede do órgão público foi depredada e incendiada.

Também durante a manifestação opositora, que ocorreu no município de Chacao, leste de Caracas, um repórter da TV estatal Venezuelana de Televisão (VTV) foi agredido enquanto cobria o evento ao vivo.

v-2

¡VÉALO USTED: Así atacaron a nuestro equipo en la marcha opositora!

Dañaron la cámara e hirieron con golpes al camarógrafo y reportero.

Outro jornalista, do portal Iguana TV, recebeu ameaças do deputado opositor Luis Florido, do partido Vontade Popular.

A oposição foi novamente às ruas este sábado para pedir a antecipação de eleições presidenciais, que estão marcadas para o ano que vem.

Também se manifestou contra a condenação do líder opositor Enrique Capriles pela Controladoria-Geral da República. O ex-governador do estado de Miranda cometeu irregularidades orçamentárias e em transções financeiras, ações que comprometeram o orçamento público. Por isso, não poderá ocupar cargos administrativos por 15 anos.

v-1

Na mesma semana, a oposição venezuelana já havia realizado manifestações violentas pela queda do governo democraticamente eleito.

Mas a destruição de edifícios públicos voltou a ocorrer após três anos. Em 2014, quando a direita opositora organizou um plano de derrubada do governo pela força, prédios do Ministério Público e do Ministério da Habitação foram atacados.

Naquela ocasião, saques, agressões e assassinatos também foram implementados, com as chamadas “guarimbas” – violências de todo o tipo, desde armadilhas com arames farpados atravessando ruas e avenidas até o uso de armas de fogo.

A violência de manifestantes em 2014 causou a morte de 43 pessoas, incluindo funcionários públicos, simpatizantes do governo e transeuntes.

 

Deixe uma resposta