Venezuela: Derrota da oligarquia e dos EUA

A revolução bolivariana saiu vitoriosa no domingo (30), quando ocorreu a eleição dos parlamentares que irão compor a Assembleia Nacional Constituinte. O processo foi convocado pelo presidente Nicolás Maduro para redesenhar o Estado venezuelano e redefinir as regras para o exercício do poder no país.

A direita tumultuou todo o processo, tentou impedi-lo, e mais de 10 pessoas foram mortas em ações que promoveu só no dia da votação. Mas o povo enfrentou todas as ameaças com coragem e dignidade e, soberanamente, escolheu seus representantes para reelaborar a Carta Magna que vai aprofundar a democracia no país.

Nessa importante jornada, os venezuelanos enfrentaram a enorme e explícita tentativa de intervenção do imperialismo dos EUA que, com o apoio declarado de seus lacaios regionais – com destaque para os governos da Argentina, Brasil e México – capitaneou forte tentativa de intervenção nos assuntos internos da Venezuela, rejeitadas pelo governo de Nicolás Maduro.

A Venezuela enfrentou também o terrorismo interno que a oposição oligárquica e de direita promove há quatro meses para criar o caos social e econômico no qual pretende navegar para depor o governo democrático e popular que luta pelo socialismo do século 21. Desde abril, as ações criminosas da oposição direitista já deixaram mais de 120 mortos.

O povo da Venezuela quer a democracia, a paz e a normalidade de volta para suas vidas, e manifestou essa vontade nas urnas neste domingo com mais de 8 milhões de votos.

“Eu voto pela paz”, disse Nicolás Maduro ao exercer seu direito cívico. “Quis ser o primeiro voto pela paz, a independência, a soberania e pela tranquilidade futura da Venezuela.” E reiterou sua disposição para um diálogo com a oposição em torno de uma saída democrática para a crise provocada pela direita.

Não teve êxito, e o principal dirigente direitista, Henrique Capriles, já declarou não reconhecer o processo constituinte, e convocou novas manifestações de confronto com o governo legítimo.

O povo venezuelano ultrapassou, vitorioso, o desafio deste domingo, e votou pela continuidade da revolução bolivariana. Venceu esta etapa na luta contra o imperialismo e a direita oligárquica de seu país e do continente. Saiu fortalecido para continuar a luta, que não terminou. Mas continuará, depois deste domingo, com a determinação manifestada nas urnas rejeitadas pelos que se proclamam “democratas” mas defendem o fascismo, a oligarquia, os privilégios e a subordinação ao imperialismo chefiado pelos EUA.

Fonte: Altamiro Borges via Portal Vermelho.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.