Veículos de comunicação faturam mais de R$ 32 bilhões com publicidade em 2013

Publicado em: 01/04/2014 às 06:45
Veículos de comunicação faturam mais de R$ 32 bilhões com publicidade em 2013

donos_da_midiaO mercado publicitário brasileiro fechou 2013 com crescimento de 6,81% no faturamento em relação ao ano anterior. Um resultado robusto, se considerando que a economia brasileira como um todo cresceu 2,3% no ano passado. Este avanço significa que os veículos de comunicação receberam R$ 32,2 bilhões de investimentos brutos em mídia, com destaque para TVs abertas e pagas, rádio e mídia exterior, segundo os dados do Projeto Inter-Meios.

A parte referente à TV aberta, os investimentos do mercado publicitário aumentaram de 64,7% para 66,5% de 2012 para 2013, totalizando R$ 21,4 bilhões. O avanço do investimento na publicidade também é refletido nos canais pagos. Os investimentos na TV por assinatura resultam em 4,9% dos números referentes ao mercado publicitário em 2013. O crescimento na área foi de 18%, somando R$ 1,5 bilhão.

Publicidade na internet cai 5,6%

A pesquisa mostra queda no investimento em publicidade na internet. De acordo com os dados do Projeto Inter-Meios, a internet marcou uma queda de 5,6% em comparação a 2012, totalizando R$ 1,4 bilhão. A pesquisa não mostra, no entanto, as participações de Google e Facebook, que são fortes na área. Os números fornecidos pela pesquisa referentes ao meio internet abrangem somente 30% da publicidade digital no Brasil.

Dentre os segmentos mais afetados com a queda do investimento para 2013, as revistas tiveram baixa de 7,6% (somando R$ 1,7 bilhão) e os jornais de 3,8% (totalizando R$ 3,2 bilhões). Já sobre a mídia exterior, casos de espaço publicitário em pontos de ônibus e relógios digitais (apenas em São Paulo), o investimento em 2013 aumentou em 67%. Mesmo com o avanço neste mercado, o número ainda representa 1% no total do investimento analisado do ano passado.

A receita gerada em 2013 pelo mercado publicitário ficou assim dividida: 66,5% TV aberta, 10,1% jornal, 5,5% revista, 4,9% TV por assinatura, 4,4% internet, 4,1% rádio e 4,4% outros (mobiliário urbano, cinema, guias e listas, outdoor e mídia digital out of home).

Fonte: Sindjorce.

Deixe uma resposta