Vai acabar o Bolsa Família? E depois?

Um cenário muito perigoso se desenha: a diluição e, até mesmo, o fim dos recursos direcionados aos segmentos mais necessitados por meio do Bolsa Família.

Foto: Reprodução da internet

Por Iraneth Monteiro.

Não é comportamento ético um governante mudar o nome de um programa apenas para que ele não continue associado a um adversário político. Mas, é preciso admitir, esta é uma prática relativamente comum. Muitas vezes é adotada mesmo se, no essencial, o programa não é modificado.

Pois bem, agora o presidente Jair Bolsonaro anunciou o fim próximo do Bolsa Família, criado no governo Lula. Afirma que vai “aperfeiçoá-lo”. Surge uma dúvida: estaremos diante de uma simples mudança de nome, depois de alguma maquiagem, com o intuito de faturar politicamente com uma iniciativa bem vista, ou, ao contrário, haverá uma modificação real?

É o caso da segunda alternativa. Há mudança. E para pior.

Se você sabe, ou quer saber, qual foi a importância da Novembrada, você pode colaborar no financiamento coletivo do docuficção Novembrada-Quarenta: Pra não esquecer, do Portal Desacato. Clique em https://www.catarse.me/quarenta

Bolsonaro anunciou a criação de um benefício universal para crianças e adolescentes, substituindo o Bolsa Família, que atende hoje 13,8 milhões de famílias. Ele foi criado em 2003, a partir da unificação de quatro programas de transferência de renda. Três deles vinham da gestão de Fernando Henrique Cardoso: Bolsa-Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio Gás e Cartão Alimentação.

O processo de unificação tinha com o objetivo reduzir a fragmentação e a sobreposição de iniciativas, além de eliminar lacunas. Mas a principal preocupação com o Bolsa Família era dar foco ao programa, garantindo transferência de renda para as famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza, combatendo a fome, superando suas condições de privação e promovendo o acesso à rede de serviços públicos, em especial, os de saúde, educação, segurança alimentar e assistência social.

Podem receber o benefício famílias inscritas no Cadastro Único do Ministério do Desenvolvimento Social que tenham uma renda mensal, por pessoa, de até R$ 89; ou de até R$ 178, no caso de núcleos familiares com crianças ou adolescentes com idades até 17 anos. Como contrapartida, as famílias se comprometem a manter crianças e adolescentes na escola e a desenvolver ações básicas de saúde, como vacinação e apoio às gestantes e nutrizes. Outra mudança foi que o programa passou a privilegiar os núcleos familiares, e não os indivíduos no acesso à renda.

Ao acenar agora com a unificação de Bolsa Família, salário família, abono salarial e dedução de dependentes no Imposto de Renda, Bolsonaro junta alhos com bugalhos, porque os programas citados por ele têm públicos e objetivos diferentes.

O Bolsa Família se destina às famílias pobres e extremamente pobres. Já a dedução de dependentes no Imposto de Renda tem como alvo setores médios e altos da sociedade, que são tributados nas rendas que recebem.

Além disso, salário família e abono salarial destinam-se aos trabalhadores formais, com carteira assinada.

Se o atual governo pretendesse simplesmente criar um novo benefício para atender o conjunto de crianças e adolescentes matriculados em escolas, independentemente da renda familiar, não haveria problemas.

Mas, pelo anunciado, as coisas não serão assim. Então, uma pergunta se impõe: haverá condições para universalizar as transferências de renda hoje direcionadas aos mais pobres e extremamente pobres?

Como existem sabidas limitações de recursos públicos – o que tem servido, inclusive, de pretexto para ataques à Previdência pública e cortes de investimentos em serviços essenciais, como saúde, educação pública e pesquisa – um cenário muito perigoso se desenha: a diluição e, até mesmo, o fim dos recursos direcionados aos segmentos mais necessitados por meio do Bolsa Família.

Isso teria graves consequências no plano social.

Olho vivo, pois.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.