Unila – espaço cultural-acadêmico para saberes latino-americanos integradores

Publicado em: 03/03/2017 às 07:23

unila

Por Elissandro Santana, Porto Seguro, e Jesús Ibáñez Ojeda, Foz do Iguaçu, para Desacato.info.

A cultura é o primeiro e, talvez, o principal ingrediente para a integração transformadora da América Latina e a Unila é um caldeirão acadêmico cultural propiciador desses processos na Fronteira Trinacional que pode servir de exemplo para outros espaços de integração no Continente.

A referida universidade representa um grande potencial para a integração cultural latino-americana e toda esta diversidade deve ser conhecida para além da fronteira Brasil, Argentina e Paraguai.

Como somos latino-americanos, é preciso começar a pensar o Continente a partir de suas realidades identitárias e, para isso, faz-se necessário entender os trânsitos culturais operados em todo o continente. A Unila como universidade do encontro de povos irmãos oferece as condições de pesquisa para se investigar os processos de integração. Ademais, como instituição com vocação para a integração, oferece as ferramentas e os conhecimentos necessários para se alcançar a integração cultural dos povos.

Nessa universidade, por suas metas, objetivos e projeto orientador para a integração, até o currículo foi elaborado por meio de uma concepção integradora. Dentre as disciplinas que possibilitam a reflexão acerca das identidades e construções do ser latino-americano está Fundamentos da América Latina (FAL). Esta cadeira é obrigatória para os discentes de todas as graduações e através dela pode-se aprofundar saberes com relação a diversas questões e perspectivas para a América Latina, o que auxilia na formação da identidade latino-americana.

Acerca do fenômeno da integração, na Unila ele se dá a partir das práticas e saberes engajados na cooperação que os trânsitos culturais comportam. Em âmbito geral, a integração na universidade pode ser visto como processo que busca a equidade, a unidade e a coletividade para enfrentar os problemas sociais que estão presentes no cotidiano da aprendizagem e que são comuns nas diversas realidades da América Latina Una, diversa e profunda.

A partir da Universidade Federal da Integração latino-americana pode-se refletir acerca de hipóteses como – se a integração não conquista uma situação de bem-estar em todos os setores, não há razão para que exista, por isso, a Unila nos permite pensar a necessidade da transformação da integração em um instrumento cultural para o desenvolvimento, porém, um desenvolvimento no qual os povos sejam protagonistas, os atores centrais, que sejam eles que possam definir o modelo que se necessita para conquistar o bem comum.

É importante sinalizar que diante do fato de que a integração não tem refletido a participação da sociedade civil organizada, inclusive, nos currículos de aprendizagem nacional, infelizmente não se observa como uma política educacional que os estudantes conheçam os processos de integração cultural latino-americana de uma maneira profunda. Diante desse quadro, a Unila preenche uma lacuna no que tange a ausência de discussões acadêmicas sobre a integração em quase todos os espaços acadêmicos do país.

Para finalizar a discussão, pode-se externar que por meio das práticas e saberes na universidade da integração é possível compreender a América Latina como uma região caracterizada por profundas desigualdades sociais e econômicas e que, por isso, precisa fortalecer sua identidade para assegurar sua subsistência como região. Que somos latino-americanos e o que nos permite seguir sendo é nossa cultura. Que não é possível um reconhecimento externo da própria identidade sem uma prévia valoração própria. Dessa forma, esse lócus acadêmico-científico na fronteira nos mostra que devemos seguir fortalecendo a integração, chave para o desenvolvimento social e educativo de nossos irmãos latino-americanos, já que, na atualidade, o povo não está integrado, não percebe a integração como algo que resolva seus problemas diários; somos testemunhas de que a integração surge inicialmente como integração econômica e devemos superar isso nos próximos anos, com políticas de integração cultural; um exemplo disso é a Unila como projeto para contribuir para o desenvolvimento educacional da América Latina. Pela diversidade cultural que possui, congrega estudantes provenientes de várias partes da América Latina e é uma oportunidade para que muitos possam dar a conhecer sobre os aspectos sociais, políticos, econômicos, culturais e realidades de cada nação.

Foto: DCE.

Deixe uma resposta