Uma democracia não pode impedir um líder político da dimensão de Lula de concorrer

Por Luiz Carlos Bresser-Pereira.

Luiz Inácio Lula da Silva é o primeiro grande líder do povo brasileiro desde Getúlio Vargas, mas a classe média e a classe rica o rejeitam de uma maneira radical e antidemocrática. Por quê? Porque os padrões morais pelos quais seu partido, o PT, se pautou não foram os melhores? Sim, mas neste ponto o partido apenas copiou o comportamento dos demais.

Porque, sem ter prejudicado os ricos, deu preferência para o povo e não para a classe média tradicional? E também porque, sem agredir os países ricos, ele mostrou uma independência em relação aos interesses do capitalismo financeiro-rentista mundial aos quais os ricos e a classe média se subordinam? Sem dúvida.

Essas são as duas verdadeiras razões. São razões políticas e, portanto, legítimas, mas elas não justificam o veto conservador. Justificam sua discordância, justificam o apoio a partidos conservadores como o PSDB e o DEM; jamais a tese reafirmada pelos representantes das duas classes que a candidatura presidencial de Lula é “inaceitável”, é “o mal”. Não justificam excluí-lo das eleições presidenciais do próximo ano.

O Brasil é hoje uma nau sem rumo. Está tomado pelo radicalismo e pelo ódio. Para obter apoio do liberalismo financeiro-rentista (dos ricos, da classe média tradicional e dos interesses estrangeiros) um governo sem qualquer legitimidade adota uma reforma neoliberal absurda e inviável, como foi a emenda que congelou em termos reais os gastos públicos e se dispõe a privatizar monopólios públicos como o Eletrobrás, ao mesmo tempo em que investe contra as reservas indígenas e a proteção do ambiente. Em um momento em que o neoliberalismo recua no mundo rico, avança aqui e nos condena ao atraso.

Não creio que Lula seja o candidato ideal. Em seu governo houve responsabilidade fiscal, mas nada foi feito contra os dois preços macroeconômicos que têm causado desindustrialização e baixo crescimento: os juros altos e o câmbio apreciado no longo prazo. Nada foi feito porque não Lula logrou transformar essa questão em uma questão nacional, e porque contou com uma assessoria econômica que lhe mostrasse o caminho. No plano econômico, na centro-esquerda, Ciro Gomes está mais preparado do que ele.

Mas nesta pequena nota eu não estou discutindo candidatos à presidência da República.

Estou afirmando que uma nação democrática não pode impedir que um líder político da dimensão de Lula seja proibido de concorrer. Os promotores da força-tarefa e o juiz Moro cometeram um grande erro ao eleger Lula como seu principal alvo, e ao condená-lo sem qualquer prova no ridículo caso do tríplex do Guarujá. Já temos um poder executivo e um poder legislativo desmoralizados; cabe ao poder judiciário preservar-se agindo como o árbitro que deve ser e não como parte interessada.

Uma nação é um povo com uma história e um destino comum. A democracia é o regime político que a nação brasileira conquistou em 1984, depois de uma longa e dura luta. As eleições do próximo ano são uma oportunidade para a nação brasileira, depois de uma animada campanha eleitoral, unir-se em torno de um governo legítimo e um projeto de desenvolvimento. Eleições realmente livres são a condição fundamental para superarmos o radicalismo e o ódio e voltarmos a ter uma nação.

Fonte: Diário do Centro do Mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.