Um cinema útil para o povo

Os filmes são feitos em comum com as pessoas, não apenas a partir da visão do cineasta / Foto: Fundacion Grupo Ukamau

O cinema de Jorge Sanjinés e a revolução indígena na Bolívia são complementares. O país, em que 60% da população se reconhece indígena, oficializou, em 2009, todos os idiomas das nações e povos indígenas originários e campesinos, como o aymara, quechua, guarani e outros. Ou seja, nada mais justo que os filmes bolivianos representassem essa diversidade do seu povo em seus filmes, certo? Errado!

A Bolívia, assim como o Brasil e no mesmo período, passou por um governo militar. O regime censurou diversos filmes por não gostar da imagem que cineastas como Sanjinés transmitiam da Bolívia e do povo boliviano para o exterior.  O livro “Teoria e prática de um cinema junto ao povo”, escrito por Jorge Sanjinés e o grupo Ukamau, explica essa história e outras. Ele foi traduzido pela primeira vez pelos brasileiros Sávio Leite e Lourenço Veloso.

Além do histórico desse cinema de resistência, o livro conta sobre como produzir um cinema popular. Nele também há entrevistas com Sanjinés publicadas em veículos especializados em cinema e ainda roteiros e pré-roteiros de vários filmes do grupo Ukamau. Confira entrevista com um dos tradutores da obra.

Brasil de Fato MG – Como você conheceu o Sanjinés e o livro?

Sávio Leite – Em 2008, quando fui pela primeira vez à Bolívia, tinha o nome do Jorge Sanginés como o principal cineasta do país. Por uma coincidência eu caí na fundação dele. Lá eu assisti o filme “A nação clandestina” e comprei esse livro. Quando eu li, entendi porque não existia conteúdo sobre ele, pois ele foi muito censurado na época em que começou a fazer filmes, na década de 60. O governo da Bolívia era um regime militar, então o censuraram de diversas formas, e seus filmes não chegaram no exterior. Seus filmes também denunciam várias formas de invasão norte-americana e imperialista. E ele falava de algo muito interessante que era fazer filmes junto ao povo, e não como um cineasta branco indo para uma comunidade que só fala quechua, aimara e fazer um filme a partir da visão dele. Os filmes são feitos em conjunto com as pessoas, os atores são não profissionais e a partir daí ele foi ganhando notoriedade.

Como foi o processo de tradução do livro?

Logo que eu voltei para Brasília quis traduzir o livro. Em 2006 fui à Bolívia e conversei pessoalmente com o Jorge Sanginez, ele deu seu aval. Eu e Lourenço Veloso passamos dois anos traduzindo o livro e para publicá-lo, lançamos uma campanha de financiamento colaborativo. Imprimimos 500 exemplares.

Quais são os próximos planos?

Foi um prazer pessoal traduzir esse livro, é uma forma de transmitir esse conhecimento que nós sabemos tão pouco. Nós conhecemos pouco da realidade da América Latina. E agora nosso interesse é trazer os filmes dele para fazer uma mostra em Belo Horizonte, assim como aconteceu em São Paulo ano passado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.