Ultraliberais do governo admitem erros de análise e decepção do PIB

Foto: Fernando Frazão Agencia Brasil

Por André Barrocal.

Porta-vozes das confissões são o secretário de Política Econômica e o presidente do Banco Central

O “mercado” consultado toda semana pelo Banco Central (BC) prevê agora no fim de junho que a economia crescerá 0,8% este ano. Foi a 17a vez seguida que a estimativa encolheu. Em janeiro, calculava uma alta de 2,5%. Era essa aposta também logo após a eleição de Jair Bolsonaro.

Com aparente espanto, o governo prepara-se para incorporar, em suas contas e análises, esse decepcionante nível de atividade. E, por meio do Secretario de Política Econômica, Adolfo Sachsida, ultraliberal feito o chefe Paulo Guedes, admite que a eventual aprovação da reforma da Previdência não será a salvação da lavoura, como alertam alguns economistas há tempos.

Ao cair na real, o governo reconhece até que o setor público tem papel decisivo no estímulo ao Produto Interno Bruto (PIB), conforme o presidente do BC, Roberto Campos Neto, outro liberal da linha de Guedes. Mas Campos Neto faz isso de forma tortuosa e preocupado em não ser cobrado a cortar os juros básicos da economia, a Selic, hoje em 6,5% ao ano.

Sachsida tem sido o porta-voz da confissão de PIB medíocre em 2019. À Folha de 24 de junho, ele disse que o governo mudará a divulgação de suas estimativas de PIB para elas não demorarem muito para serem conhecidas após noticiadas aquelas do “mercado”. “Está caindo tão rápido (a previsão do mercado) que, quando é publicado (o cálculo do governo), estamos destoados”.

Três dias antes, o secretário havia despontado no Estadão a opinar sobre o efeito limitado, no PIB de 2019, de eventual votação de novas regras de aposentadorias. “Com a (reforma da) Previdência passando vai melhorar o PIB? Claro que vai, mas de 1% para 1,6%. Ainda é uma realidade muito ruim”, disse. “Temos de agir para a coisa não ficar pior ainda.”

O que Sachsida faz é aceitar que, pelo bem do PIB, não basta que melhorem as expectativas dos agentes econômicos, algo que poderia ocorrer com a aprovação da reforma. Jogar todas as fichas na “confiança” do “mercado” é um pilar do pensamento econômico liberal. E uma forma de defender a contenção dos gastos públicos.

Apesar de admitir que confiança é pouco, o secretário salienta que o governo não usará gastos e investimentos públicos para empurrar a economia. A ideologia não deixa. “Essa agenda está fora e não será repetida. Não tem aumento de gasto público”, afirmou ao Estadão. “Esse é um governo pró-mercado.” O plano oficial, diz, é tentar direcionar gastos privados para áreas de peso no PIB.

Razões ideológicas também influenciam o presidente do BC em suas análises sobre o momento da economia brasileira. Ao Valor de 5 de junho, Campos Neto disse que “há um tema que a gente tinha olhado no passado e acho que cresceu em importância”, que “é a complementaridade entre o setor público e o setor privado”, que é “bastante alta”.

Segundo ele, o gasto público federal, dos estados e dos municípios ajudava a incentivar “alguma indústria, alguma área produtiva”, sobretudo na construção civil. Houve, porém, disse o banqueiro, uma “parada no motor público muito rápido”, e a compensação dessa parada por parte dos gastos privados “não ocorreu na forma esperada”.

Com essas palavras, Campos Neto admitiu, de forma elíptica, que os liberais erraram ao desprezar o papel do setor público. Na mesma entrevista, ele deixou claro que não adianta cobrar o BC a baixar o juro como medida de incentivo ao PIB. O papel da autoridade monetária, disse, não é pensar no crescimento, mas na inflação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.