Udesc afasta professor investigado por assédio sexual em Florianópolis

Investigação policial e sindicância universitária completam um mês nesta semana. Prazos de investigação devem ser prorrogados.

Foto: Reprodução

Por Schirlei Alves.

O professor da Universidade de Santa Catarina (Udesc) investigado por suspeita de assédio sexual foi afastado por 60 dias da sua função. A recomendação feita pela comissão da sindicância interna foi acatada pela reitoria da universidade, uma vez que a licença médica apresentada pelo docente completou os 30 nesta semana.

A portaria oficializando o afastamento será publicada nesta sexta-feira (20), mas a recomendação começou a valer na quarta-feira (18). O afastamento ocorre enquanto as investigações, tanto da polícia quanto da sindicância, não são concluídas.

O professor já prestou depoimento na Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (Dpcami). O delegado responsável pelo caso, Paulo de Deus, não divulgou detalhes do depoimento porque a investigação ainda está em curso. A conclusão do inquérito, que deve superar os 30 dias, depende de ouvir outras testemunhas indicadas pelo investigado.

+ Vídeo: Estudantes da UDESC denunciam professor por assédio e abuso sexual

Assédio sexual, moral e até estupro são denunciados por coletivo da UDESC

Pelo menos oito alunas registraram denúncia na Dpcami a partir de 20 de março. O caso também foi levado a conhecimento da Udesc que abriu uma sindicância para apurar o caso. O professor, que pertence ao Centro de Ciências Humanas e da Educação (Faed), na unidade do bairro Itacorubi, em Florianópolis, apresentou um atestado de saúde logo após as denúncias e, desde então, não compareceu mais à universidade.

O caso se espalhou pelas redes sociais, principalmente em grupos de mulheres que têm usado as redes para trocar informações e promover proteção coletiva. Cartazes em protesto à conduta do professor também foram colados nas paredes, nos pilares e nos acessos de entrada da universidade.

O processo de sindicância aberto pela Udesc foi encaminhado à Procuradoria Geral do Estado e ao Ministério Público. O prazo de 30 dias que termina nesta semana será prorrogado por mais 30.

De acordo com a advogada que acompanha as vítimas, Isadora Tavares, as jovens estão fazendo terapia para superar o trauma. Alunos e professores da universidade também prestam solidariedade às alunas.

Os abusos, segundo Isadora, ocorriam no laboratório onde o professor coordenava um núcleo de estudos. As investidas teriam ocorrido durante orientações particulares em uma sala fechada. Os assédios teriam iniciado após seis meses de convivência com as alunas.

A advogada orienta os estudantes a registrarem denúncia na ouvidoria das universidades, uma vez que os centros acadêmicos estão cientes do compromisso de levar os casos adiante. Segundo Isadora, é comum esse tipo de situação envolvendo docentes ser abafado nas instituições, principalmente quando há apenas uma vítima disposta a denunciar.

Suspeita de estupro é investigada em Palhoça

Outro caso envolvendo o mesmo professor foi denunciado por uma aluna em fevereiro deste ano na Dpcami de Florianópolis. Como a agressão teria ocorrido em Palhoça, o caso foi encaminhado para a delegacia especializada do município vizinho. Nesse inquérito, cujo conteúdo está em sigilo para proteger a vítima, o docente é investigado pelo crime de estupro.

A reportagem não conseguiu contato com o advogado Hédio Silva Júnior, responsável pela defesa do professor.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.