Trump é a principal ameaça à paz na América Latina, diz chanceler de Cuba

Durante abertura do Encontro Anti-imperialista em Havana, Bruno Rodríguez condenou bloqueio contra a ilha e agradeceu a solidariedade das nações presentes no evento

Durante abertura do Encontro Anti-imperialista em Havana, Bruno Rodríguez condenou bloqueio contra a ilha (Foto: Reprodução/CubaSi)

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, disse durante a abertura do Encontro Anti-imperialista de Solidariedade pela Democracia e contra o Neoliberalismo nesta sexta-feira (01/11) que o governo do presidente norte-americano Donald Trump é a maior ameaça à paz na América Latina e que enfrentar os EUA é uma “tarefa decisiva”.

“O governo de Donald Trump é a maior ameaça à paz e à segurança. Os Estados Unidos aumentam a ingerência em nosso assuntos de Estado e o modelo capitalista é inviável e insustentável para este planeta”, disse o chanceler cubano a uma plateia formada por mais de mil dirigentes políticos de diversos países que chegaram em Havana para participar do encontro.

Rodríguez ainda condenou o bloqueio norte-americano contra Cuba e rechaçou a aplicação do Título III da Lei Helms-Burton – mais um mecanismo de sanção de Washington colocado em vigor para aumentar o bloqueio econômico contra e sufocar o país economicamente – e disse que a lei é o “principal instrumento que os Estados Unidos usam para reger a sua hostilidade contra Cuba”.

“Enfrentamos sérias dificuldades no fornecimento de combustível e foram adotadas medidas temporárias que só eram possíveis em um país organizado e revolucionário como o nosso. O governo dos EUA viola o direito internacional e os regulamentos internacionais de navegação e comércio”, afirmou o ministro.

Em seu discurso, o ministro ainda fez uma defesa da esquerda latino-americana e proferiu diversos ataques ao sistema capitalista e ao imperialismo, classificando-os como “os responsáveis” por tornar a região “mais desigual”.

Rodríguez também criticou o papel desempenhado pela Organização dos Estados Americanos (OEA) nas eleições presidenciais da Bolívia realizadas no final de outubro. Segundo o chanceler, o órgão “ataca a esquerda para defender o neoliberalismo”. Ainda sobre o país vizinho, o ministro felicitou a reeleição do presidente Evo Morales, a qual chamou de “vitória histórica”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.