Trabalhadores do serviço público entram no STF contra calote de Temer

Foto: Reprodução/Internet.

Depois de idas e vindas, por pressão do “mercado”, o presidente editou a MP que foi publicada no sábado, dia 1º, em edição extra do Diário Oficial da União.

Segundo o texto da ação, a medida provisória “está eivada de nítida inconstitucionalidade, já reconhecida expressamente em decisão proferida pelo ministro Ricardo Lewandowski na ADI n. 5.809/DF”. A entidade lembra que, no ano passado, o ministro concedeu liminar suspendendo o adiamento do reajuste de 2018 para 2019.

A iniciativa da CSPB faz parte da ofensiva da categoria, que decidiu se mobilizar em várias frentes para impedir o calote de Temer nos salários. Além de entrar na Justiça – a Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência Social e a União Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle também acionaram o STF – estão sendo preparadas manifestações e não estão descartadas paralisações.

“O governo acabou. Temer está perdido, sem moral pra fazer qualquer coisa”, reagiu o secretário-geral da CSPB e Secretário Nacional do Plano dos Servidores Públicos da Nova Central, Lineu Neves Mazano. Em entrevista à Agência Sindical, logo após a decisão do governo, ele destacou que o funcionalismo não ficaria parado ante o ataque à lei.

Em outra frente, os servidores já iniciaram o corpo a corpo com parlamentares para convencê- los a não apoiar a MP. “Vai ser uma batalha para impedir que a MP seja aprovada no Congresso Nacional, mas vamos fazer pressão, muita pressão”, afirma Lineu.

Para o presidente da Confederação, João Domingos Gomes dos Santos, o governo “age inescrupulosamente”. “Em vários itens ele poderia cortar despesas, principalmente, no escandaloso pagamento do serviço da dívida, cujos juros engordam os bolsos de banqueiros e consome mais de 50% do orçamento. Essa ilegalidade terá pronta resistência da CSPB”, diz.

A Adin da entidade conta com apoio do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate). Outras associações representativas do setor, como Polícia Federal (ADPF), Receita Federal (Anfip) e servidores do Ipea (Afipea), também preparam ações na Justiça.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.