Trabalhadores do judiciário dizem sim à continuidade da greve

IMG_4402

Por Paula Guimarães para Desacato.info      

Em frente ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), cerca de quatro mil trabalhadores do poder judiciário catarinense disseram sim à continuidade da greve – que dura 18 dias – na maior assembléia já registrada na história da categoria.  O encontro realizado na tarde de ontem (29/04) reuniu servidores da capital e de 103 comarcas do estado. “O pessoal está muito unido. Alguns viajaram mais de 800 quilômetros para chegar até aqui”, afirmou Mauri Raul Costa, integrante do comando de greve e secretário político do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc).

novo

Os trabalhadores foram unânimes em dar continuidade à greve por tempo indeterminado até que o TJSC atenda todas as reivindicações da categoria. “Essa greve pode ter duração semelhante àquela registrada em 1989, a mais prolongada da história do judiciário, a qual durou quase três meses”, pontua o dirigente.

Mauri explica que o judiciário catarinense é o 3º do país em produtividade e o 23º quando se trata de remuneração. Segundo ele, a morosidade da justiça, tão crítica pela sociedade, é consequência da sobrecarga de trabalho e da falta de estrutura às quais os trabalhadores estão submetidos em sua rotina. “Falta muito pessoal na atividade fim. Em algumas comarcas, três servidores chegam a cuidar de 15 mil processos”, revela.

IMG_4395

Reivindicações

Entre as reivindicações, destacam-se o chamado “Novo Plano de Cargos e Salários (NPCS)” e o aumento real. Além da decisão de manutenção da greve, a categoria deliberou por pedir à Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) a rejeição do Projeto de Lei Complementar (PLC) 5/2015, de autoria do TJSC, que concede adicional de nível superior no valor de 50% para os portadores do diploma do curso de Direito que estão em cargos de nível médio. Objetivo é que os valores orçamentários do PLC sejam aplicados no Novo Plano de Cargos e Salários (NPCS) ou no aumento real. Votaram também em transformar o abono de natal em ganho real ou adiantamento do NPCS.

Após a assembleia, a base se dirigiu à Alesc, onde ocorria sessão ordinária, para protestar contra o (PLC) 5/2015. Na sessão, os deputados Valduga, Dresch e Luciane Carminatti (PT) apoiaram a proposta e Carminatti pediu ainda que uma audiência pública fosse realizada para tratar do assunto. Enquanto o tema era pauta da sessão, a direção do SInjusc protocolou e entregou ofício ao presidente da Alesc, Gelson Merisio, reiterando o pedido.

IMG_4401 (1)

“Servidoras e servidores, continuemos com o movimento. Conversem com seus colegas para que a greve se fortaleça ainda mais. Unam-se. Busquem apoio uns nos outros. Porque juntos somos mais fortes”, defende o secretário de política sindical, Luiz Carlos Ribeiro.

IMG_4405 (1)

Informações complementares foram extraídas da página do Sinjusc.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.