Trabalhadores da GOL foram proibidos de usar máscaras e luvas durante a pandemia

Trabalhadores relatam que foram proibidos pela empresa de usar máscaras e luvas no ambiente de trabalho. Se o fizessem, seriam punidos administrativamente. A proibição ocorreu inclusive depois da decretação da pandemia, pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O sindicato da categoria notificou a empresa, que nega as acusações – Patrícia Gomes

Por. Marques Casara

A chegada do novo coronavírus ao Brasil foi negligenciada por uma das maiores companhias aéreas da América do Sul, a Gol, que opera uma média de 700 voos diários e tem 16 mil funcionários.

Em áudios obtidos pelo Brasil de Fato, trabalhadores relatam que foram proibidos pela empresa de usar máscaras e luvas no ambiente de trabalho. Se o fizessem, seriam punidos administrativamente. A proibição ocorreu inclusive depois da decretação da pandemia, pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A proibição foi mantida mesmo após o afastamento, por determinação médica, de funcionários suspeitos de estarem com a covid-19. Colegas que tiveram contato direto com as pessoas doentes não foram afastados e tampouco receberam autorização para usar máscaras e luvas, o que contraria todas as normas em vigor.

O Sindicato Nacional dos Aeroviários (SNA) confirma a proibição imposta pela empresa e também as ameaças de punição. “Tivemos várias notificações de trabalhadores que estavam sendo punidos por usar luvas e máscaras nos aeroportos”, relata Patrícia Gomes, coordenadora da regional Sul do SNA. “Nós enviamos um ofício solicitando providências à empresa, nas áreas de saúde e segurança, mas nada foi feito.”

O envio do ofício foi confirmado pelo advogado do sindicato, Álvaro Quintão. “Algumas empresas não estão nem um pouco preocupadas com a saúde e com a vida dos seus empregados. Estão ignorando. O sindicato encaminhou, há mais de um mês, pedido de equipamento de proteção”, acrescenta.

Segundo Quintão, ocorre “descaso com a vida dos empregados”. Ele diz que apenas recentemente começaram a oferecer os equipamentos, mas ainda de forma precária e não para todos os funcionários.

Passageiros em risco

A falta de equipamentos de proteção ocorre também em outras companhias aéreas. As ameaças de punição, contudo, foram registradas na Gol. “As pessoas estavam sendo punidas por tentarem proteger a si mesmas, aos colegas de trabalho e aos passageiros”, relata Patrícia Gomes.

A Gol foi procurada. Enviou uma nota na qual nega o problema: “a Companhia vem acompanhando de perto a distribuição adequada de luvas e máscaras. Importante informar que no dia 20 de março, como resultado do nosso esforço diário, novos lotes dos itens foram disponibilizados à tripulação”. A informação não é confirmada pelo sindicato. “Nosso ofício foi enviado depois do dia 20, precisamente no dia 24, solicitando urgência e considerando a imperiosa necessidade de se evitar a contaminação em larga escala”, relata Patrícia.

A resposta completa da Gol pode ser acessada no PDF anexado aqui.

Trabalhadores em pânico

Os áudios dos trabalhadores relatam preocupação e medo. Em um deles, uma funcionária de terra conversa com outra funcionária e relata até mesmo a falta de álcool em gel nos locais de trabalho e de contato com passageiros:

“Cara, eu liguei pro Pará agora. Ele falou que o pessoal de São Paulo, a Priscila falou que não pode usar máscara. Cara, isso é um absurdo. A gente não está pedindo para a empresa comprar. A gente tá querendo comprar. E aqui a gente está com falta de álcool em gel. Hoje eu fui à farmácia comprar álcool em gel e não tinha. Comprei um pacote de luvas. Ai o Pará veio falar que não pode.”

Em outro áudio, também entre duas trabalhadoras, uma delas diz o seguinte:

Eu vou ver se converso com a gerente, entendeu? Porque é um negócio muito sem lógica. Punir o funcionário por isso. Não existe. Se eles fizerem realmente isso, o Brasil não está levando a sério o que está acontecendo. Isso dai vai piorar. A gente não tem estrutura nenhuma para conseguir, caso alguém fique doente, a gente não tem, vive em um país sem estrutura nenhuma pra isso.

Em um terceiro áudio, um funcionário da Gol comenta a contaminação de um colega pelo novo coronavírus.

Aqui em Salvador, funcionário está de coronavírus. A gente aqui já tem o atestado dele confirmado. Desde o dia 24 que ele está afastado, que ele foi para a emergência e fez o exame e a Gol não informou aos funcionários… São medidas preventivas. Se ele ficou em casa tínhamos que estar tomando medidas preventivas aqui em Salvador… 

A Gol nega as denúncias. “Reafirmamos que todas as medidas tomadas por nós colocam em primeiro lugar a segurança e o bem-estar dos nossos Clientes e Colaboradores”, diz em nota enviada ao Brasil de Fato.

Coação

Além dos problemas ligados à saúde e segurança dos trabalhadores, outra denúncia contra Gol diz respeito ao que o sindicato chama de “coação” para que os trabalhadores assinem uma Licença Não Remunerada (LNRv), por conta da diminuição no número de voos, causados pela quarentena.

A medida, segundo o advogado do SNA, está sendo tomada de forma arbitrária e sem consultar o sindicato. “A Gol é onde mais acontece os relatos de coação para que aceitem os acordos individuais”, diz o advogado Álvaro Quintão. “O que seria um acordo individual está virando uma imposição das empresas. E isso está acontecendo muito”.

A Gol nega a coação, diz que preza pelo diálogo e que está propondo a LNRv por conta da crise imposta pela pandemia.

Sobre esse caso, é possível acompanhar as atualizações diárias no site do SNA.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.