Theófilo Rodrigues: “A esquerda brasileira não morreu.” Sobre o artigo de Safatle que anuncia a morte da esquerda brasileira.

Foto: Pixabay

O filósofo Vladimir Safatle acaba de publicar no El Pais interessante artigo em que declara a morte da esquerda brasileira. Bem escrito, o texto é um daqueles que vale a pena ser lido e relido com atenção. O principal mérito de Safatle é propor uma relevante discussão sobre as dimensões da fragilidade da esquerda brasileira hoje. Afinal, momentos de crise costumam abrir oportunidades únicas para debates programáticos e estratégicos. Sob esse registro, vale a lembrança de como a queda do Muro suscitou a organização de uma série de coletâneas com artigos dos mais diversos intelectuais sobre o futuro da esquerda como After the Fall, de Robin Blackburn, e Reinventing the Left, de David Milliband, entre tantos outros. Peço, contudo, licença para discordar de Safatle.

Minha discordância em relação ao texto de Safatle reside em dois aspectos: a primeira, de cunho político-conjuntural, refere-se à avaliação sobre a suposta morte da esquerda brasileira; a segunda, de caráter político-programático, diz respeito à sua leitura sobre o significado do populismo de esquerda.

Vamos tratar primeiro da suposta morte da esquerda brasileira. Nos últimos 17 anos a esquerda brasileira esteve no governo federal por 13 anos. Das últimas cinco eleições presidenciais (2002, 2006, 2010, 2014 e 2018), quatro foram vencidas pela esquerda. Então fica a pergunta: como assim a esquerda brasileira está morta?

Certamente a esquerda brasileira sofreu duas importantes derrotas nos últimos quatro anos. Primeiro, com o impeachment de Dilma Rousseff em 2016 e, em seguida, com a eleição de Jair Bolsonaro em 2018. Mas a derrota momentânea de um campo político não significa a sua morte. Do contrário, alguém poderia dizer que a direita brasileira morreu em 2002 e permaneceu dentro do caixão até 2016. Mas sabemos que não foi exatamente isso o que ocorreu.

Ademais, bom que se diga que a esquerda brasileira não é homogênea. Vejamos dois exemplos. O PSOL dobrou sua bancada na Câmara dos Deputados em 2018 e, em 2020, tem grandes chances de eleger Marcelo Freixo como prefeito da cidade do Rio de Janeiro. O PCdoB viu sua influência nacional ampliar após a reeleição do governador Flávio Dino no Maranhão, em 2018, além de ter grandes chances de eleger Manuela d´Ávila como prefeita de Porto Alegre em 2020. Essa esquerda, indicam as pesquisas eleitorais, não parece estar morta.

Confesso que a leitura de Safatle me remeteu imediatamente ao mesmo erro de avaliação cometido por Alain Touraine, um dos principais sociólogos franceses, quando declarou a morte da esquerda na década de 80. Em 1980, Touraine publicou um pequeno livro intitulado O pós-socialismo. Relembrando: após o período disruptivo de maio de 68, a sociedade francesa, que parecia querer respirar ares libertários, elegeu uma assembleia e um governo conservador que durou mais de uma década. Inconformado com a situação, Touraine apontou o fim da política socialista e a urgência da construção de um novo tipo de ação capaz de dialogar com os então novos movimentos sociais que surgiam. Disse Touraine, com uma inabalável certeza: “na França, como aliás em toda parte, o socialismo chegou ao final de seu caminho. Sua grandiloquência limita-se a uma política politiqueira e sua voz sufoca a voz dos novos movimentos sociais”.

Teria sido uma preciosa intervenção teórica e política sobre aquele momento histórico, não fosse por um pequeno detalhe que marginalizou o sucesso do livro: no ano seguinte, em 1981, o Partido Socialista francês, sob a liderança de François Mitterrand, venceu a presidência e lá permaneceu até 1995; em Portugal, o socialista Mario Soares foi eleito primeiro-ministro em 1983 e, em 1986, assumiu a presidência, de onde o Partido Socialista saiu apenas vinte anos depois, em 2006; na Espanha, Felipe González do PSOE foi eleito primeiro-ministro em 1982 e deixou o cargo apenas em 1996; e na Grécia, Andreas Papandreu, do PASOK, foi eleito primeiro-ministro em 1981 e só deixou o posto em 1989. Afinal de contas, nem sempre os sociólogos acertam em suas previsões.

Claro, alguém poderia argumentar que todos aqueles partidos de esquerda que venceram eleições nas décadas de 80 e 90 passaram por um aggiornamento programático rumo ao centro, na direção daquilo que Anthony Giddens convencionou chamar de “terceira via”, ou como Tarik Ali prefere, de “extremo-centro”. Concordo com essa avaliação. Mas não é essa a abordagem de Safatle.

Aliás, esse ponto me remete à segunda discordância em relação ao texto do autor. Embora não cite, Safatle claramente utiliza o conceito de populismo formulado por Ernesto Laclau e propagandeado por Chantal Mouffe. Mas quando dá um passo adiante para a definição do “populismo de esquerda”, há certo deslize.

Crítico da ideia de populismo, Safatle enxerga o “populismo de esquerda” como um tipo de articulação política homogênea. Nas palavras de Safatle, no populismo de esquerda o “povo” “nasce como uma monstruosa entidade meio burguesia, meio proletariado. Uma mistura de JBS Friboi com MST”. Tudo bem que essa possa ser uma forma de articulação do populismo. Mas não é a única. Mouffe e Laclau, por exemplo, entendem que o populismo de esquerda é aquele que articula uma política de democracia radical. Em “Hegemonia e estratégia socialista” os dois argumentam em defesa de uma política em que as lutas contra o racismo, o sexismo, a discriminação sexual e em defesa do meio ambiente precisam ser articuladas às dos trabalhadores num novo projeto hegemônico de esquerda. E parte da esquerda brasileira já tem caminhado nessa direção como, aliás, aponta o movimento dos Comuns capitaneado por Manuela d’Ávila.

A esquerda brasileira certamente está na defensiva, mas não está morta. Quem impediu a aprovação da capitalização na reforma da previdência de Paulo Guedes foi a esquerda brasileira. Quem impediu a aprovação do excludente de ilicitude de Sergio Moro foi a esquerda brasileira. O que talvez nos falte seja um olhar mais generoso para as pequenas experiências sociais e políticas que emergem cotidianamente no país. É esse o lugar em que germina a volta da esquerda para seu protagonismo na democracia brasileira.

Theófilo Rodrigues é cientista político.

A opinião do/a autor/a não necessariamente representa a opinião de Desacato.info.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.