Terapeuta que chamava de ‘doença’ e defendia ‘cura gay’ é flagrado em aplicativo de encontros LGBT

Foto: Jose CABEZAS

Norman Goldwasser, um judeu ortodoxo norte americano que comparava ser gay à doença e prometia reverter a homossexualidade de seus pacientes com sua própria terapia, teve seu perfil no Manhunt – um aplicativo de encontros gays – exposto na internet.

Terapeuta que defendia ‘cura gay’ é flagrado em aplicativo de encontros LGBT. Foto: Reprodução de Internet

Com o nome de usuário HotnHairy72 (QuenteEPeludo72) e exibindo fotos sem roupa, ele trocou ideia e chegou a topar um encontro no aplicativo com um usuário que na realidade era Wayne Besen, um dos responsáveis pelo site “Truth Wins Out”. O portal gay o descobriu na plataforma e decidiu expor seu perfil.

Ao portal “Cocktails and Cocktalk”, Wayne explicou o motivo de ter exposto o pseudo-terapeuta que comparou a homossexualidade a um transtorno obsessivo-compulsivo.

“A vida dupla de Norman Goldwasser mostra toda hipocrisia e natureza dessa indústria de ‘cura gay’. Fiz isso para expor o ridículo e pedir a todos os Estados do país que proíbam a cura gay, este tipo de terapia que só prejudica pessoas LGBTs jovens e coloca suas vidas em risco”, declarou lembrando que a terapia de conversão gay, que busca mudar a orientação sexual de uma pessoa, é proibida em vários estados dos Estados Unidos, como California, New Jersey, Oregon, Nevada, Washington, dentre outros.

O perfil do Norman, que já foi excluído, armazenava várias imagens de nudez e listas de vários interesses, incluindo “namoro”, “beijar”, ??“homens casados”, “massagem” e atividades relacionadas ao universo LGBT.

(…)

Norman Goldwasser que é psicólogo e reside da Flórida, fazia parte de uma organização norte americana chamada JONAH (Judeus Oferecendo Novas Alternativas para Homossexuais).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.