Tema venezuelano tensiona cerimônia presidencial no Chile

Publicado em: 10/03/2014 às 19:44
Tema venezuelano tensiona cerimônia presidencial no Chile

eua_joe_bidenSantiago do Chile, 10 mar (Prensa Latina) Sem tocar território sul-americano, o vice-presidente estadunidense Joe Biden tensionou ainda mais o ambiente durante cerimônia de mudança presidencial no Chile, ao lançar duras críticas ao Governo da Venezuela. E a resposta do mandatário venezuelano, Nicolás Maduro, não se fez esperar. Em um comunicado oficial, Caracas expressou a indignação do chefe de Estado pelas expressões de Biden ao jornal chileno El Mercurio.

Qualificou como “agressão direta à nação” as palavras de Biden e indicou que Washington, “principal promotor da violência em nível mundial, especialista em invasões, bloqueios econômicos (…), não tem moral para falar do respeito aos direitos humanos na Venezuela”.

O segundo homem da Casa Branca era esperado ontem à noite aqui e, antes de chegar, antecipou seu interesse por conversar com os presidentes do Peru, Ollanta Humala, México, Enrique Peña Nieto, e Colômbia, Juan Manuel Santos.

O assunto ganhou contornos mais complexos ao interior do Chile com a postura clara da futura presidenta da República, Michelle Bachelet, de dialogar com Maduro e promover o diálogo para chegar uma solução pacífica ao conflito venezuelano.

Chile teve um papel importantíssimo na defesa dos direitos humanos, mas também dos processos democráticos…, “e não nos parece adequado que possam haver ações violentas que procuram desestabilizar um governo democraticamente eleito”, declarou Bachelet.

“Quando entrarmos ao governo, o que vamos fazer é oferecer apoio ao governo e ao povo da Venezuela para realmente procurar as vias democráticas, de paz social, para que os próprios venezuelanos possam procurar esse caminho”, assinalou em entrevista televisiva.

No entanto, o atrito estará em pauta nos próximos dias. O mandatário que sai, Sebastián Piñera, e partidos próximos à direita se alinham com a posição dos Estados Unidos.

Inclusive dentro da coalizão que estará agora no poder, a Nova Maioria, a Democracia Cristã critica Nicolás Maduro enquanto o Partido Comunista enfatiza que os protestos são articulados para desestabilizar o governo venezuelano.

Dentro desse contexto chileno já foi convocada uma reunião de chanceleres da União de Nações Sul-americanas (Unasul) para abordar o assunto da Venezuela, e o presidente equatoriano, Rafael Correa, disse que também os chefes de Estado farão uma reunião.

Correa adiantou desde Quito que aproveitará a presença da maioria de governantes sul-americanos aos atos de toma de posse para manter um encontro de máximo nível da Unasul.

TGJ/ft/cc Modificado el ( lunes, 10 de marzo de 2014 )

Deixe uma resposta