Sites de direita publicam fake news sobre médicos cubanos

A dupla bolsonarista O Antagonista/Crusoé está disseminando mais uma fake news contra o programa Mais Médicos. Desta vez, atribuem à Organização das Nações Unidas (ONU) o enquadramento das missões de médicos cubanos – normalmente através de convênios firmados com a intermediação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e entes afins – como “trabalho forçado”. Em sites dedicados a difundir e aumentar as mentiras da extrema-direita, a “denúncia” é ampliada para “trabalho escravo”.

De acordo com as publicações, divulgadas no sábado (10), as relatoras especiais da ONU para os temas de Escravidão Contemporânea e de Tráfico de Pessoas, respectivamente Urmila Bhoola e Maria Grazia Giammarinaro, afirmaram isso num documento em resposta a questionamentos de uma ong espanhola chamada Defensores dos Prisioneiros Cubanos.

Há dois problemas graves na “notícia”. O primeiro é que os relatores temáticos não têm prerrogativa ou competência institucional para emitir decisões como um órgão do sistema ONU. E o problema mais grave é que simplesmente não existe tal afirmação na carta [confira a íntegra abaixo] das relatoras que foi enviada ao governo cubano em novembro passado.

O que existe é uma frase que serve de advertência sobre a possibilidade de uma série de práticas – se é que existiram, já que o documento não é conclusivo, mas apenas consultivo e propositivo – questionadas na carta que PODERIAM ser enquadradas na condição de trabalho forçado.

A frase em espanhol distorcida na tradução para o português é essa: “Las condiciones de trabajo reportadas podrían elevarse a trabajo forzoso” – “As condições de trabalho reportadas poderiam ser consideradas como trabalho forçado”.

O texto pede resposta em até 60 dias e termina nestes termos: “Quisiéramos asimismo instarle a que tome las medidas efectivas para evitar que tales hechos, de haber ocurrido, se repitan” – “Também gostaríamos de instar que [V. Exa.] tome medidas efetivas para evitar que tais fatos, se tiverem ocorrido, se repitam”.

Desafio
Diante da “notícia”, o deputado Alexandre Padilha (PT-SP), que foi o ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff e um dos responsáveis pela concepção do Mais Médicos, desafiou qualquer pessoa a mostrar a decisão na ONU que comprove o que afirmam os sites.

“Se tem uma coisa que me deixa indignado é fake news na área da saúde. Eu fui procurar junto a pessoas da ONU, da Organização Mundial de Saúde, se tem alguma resolução sobre isso, alguma decisão sobre isso. Não existe nada, muito pelo contrário. O que tem de resolução de comissões são de apoio, solidariedade às ações da Brigada Internacional de médicos cubanos”, disse o parlamentar em vídeo publicado em sua conta no Twitter.

 

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.