Sindicato dos Jornalistas de SC denuncia e repudia demissões e ameaças

Por Diretoria do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina.

O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina denuncia e repudia as demissões e ameaças que nas últimas semanas vêm ganhando corpo nas redações de todo Estado. A conta-gotas, a RBS demitiu dezenas de colegas desde o final do ano passado. Em Joinville, por conta da terceirização de motoristas, o jornal A Notícia estava obrigando os repórteres-fotográficos a dirigirem os carros da empresa, numa clara afronta à legislação trabalhista e colocando em risco a segurança dos profissionais. Há boatos, tanto na RBS como no Notícias do Dia, que uma nova onda de demissões atingirá as redações nas próximas semanas. Os primeiros sinais vêm com o fechamento da sucursal de São de José do ND, que empregava três jornalistas.

Detentora do monopólio da comunicação no Sul do Brasil, a RBS, que recentemente promoveu diversos cortes em cargos executivos nos seus veículos no RS e em SC (processo que, ao que consta, ainda não terminou, com “ajustes” também nas áreas de Marketing, Comercial, Operações e Jurídico), lidera o ranking de demissões e ameaças.

O Grupo, que em novembro do ano passado inaugurou sua nova sede em Florianópolis – ao custo de R$ 8,5 milhões – com a autoproclamada inspiração de “um novo modo de pensar e fazer comunicação em Santa Catarina” e a promessa de mais qualidade em seus produtos e ambiente mais integrado e agradável para seus “colaboradores”, faz uma indisfarçável opção “preferencial” por demitir profissionais com mais tempo de casa e experiência. Será este o “compromisso com o jornalismo responsável, livre e transparente” que a empresa tanto apregoa?

A prática da demissão em massa ou das ameaças no início do ano é bastante conhecida dos jornalistas catarinenses. As empresas se utilizam desse expediente espúrio justamente para disseminar o medo e tentar inibir mobilizações por melhores salários e condições dignas de trabalho. Fazem isso, entre fevereiro e março, pela proximidade da data-base da categoria: 1º de maio.

A Diretoria do Sindicato alerta à categoria para que não se deixe intimidar por esse tipo de postura e conclama todos os jornalistas a participarem ativamente da campanha salarial 2012, dando a melhor resposta possível para esse tipo nefasto de “política de recursos humanos”.

Já no final de fevereiro, desencadearemos o processo da Campanha Salarial 2012. Portanto, vamos todos às assembleias de definição da pauta de reivindicações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.