Sem veneno: famílias acampadas do MST produzem 900 quilos de feijão no RS

6-1
Foto: Catiana de Medeiros

Por Catiana de Medeiros.

Os Sem Terra produzem o grão de forma agroecológica há três anos no Acampamento Terra e Vida, localizado em Passo Fundo

Além de ser uma realidade em boa parte dos assentamentos da reforma agrária no Rio Grande do Sul, a produção de alimentos saudáveis também faz parte do dia a dia das famílias que ainda lutam por um pedaço de terra, seja em acampamentos na beira de rodovias ou em latifúndios ocupados.

No Acampamento Terra e Vida, montado às margens da BR-386 no município de Passo Fundo, no norte do estado, os acampados plantam feijão preto há três anos. Todo o cultivo é feito de forma agroecológica, somente com a inserção de adubo orgânico e extratos fermentados de arruda, cavalinha e urtiga, sem o uso de substâncias químicas ou venenos.

De acordo com o agroecólogo Antônio Prestes Braga, nesta última safra os Sem Terra colheram, de forma braçal, 900 quilos de feijão, que serão utilizados prioritariamente para o abastecimento das 60 famílias que vivem no acampamento. “É uma quantidade que nos alimentaria o ano inteiro, mas para não carunchar, parte da produção nós vamos comercializar para alguns dos nossos apoiadores, o que vai garantir a alimentação saudável de trabalhadores de empresas e sindicatos aqui do município”, conta.

Braga acrescenta que, devido ao bom resultado da colheita, uma quantidade do grão também será destinada a um restaurante local e ao Instituto Educar, uma escola construída pelo MST na antiga Fazenda Annoni. As sementes, plantadas em dezembro do ano passado, são crioulas e foram adquiridas de um agricultor que mora em uma pequena propriedade em Ametista do Sul, também na região norte.

Foto: Catiana de Medeiros
Foto: Catiana de Medeiros

Mais produção limpa

As famílias se organizaram para produzir o máximo de alimentos no território onde vivem e mostrar à sociedade que é possível produzir sem veneno. Lá, além de feijão, elas cultivam amendoim, milho, pipoca, temperos, alface, cebola, abóbora, moranga, beterraba, mandioca, batata-doce e mais de 300 pés de jabuticaba, araçá, pinhão e nozes. Também há criação de galinhas, patos, suínos e coelhos.

Segundo o acampado Éverton Scherner, a prática de produção limpa tem o apoio constante do Instituto Educar, que contribui com orientações técnicas para melhorar os cultivos agrícolas e distribui mudas de hortaliças agroecológicas ao acampamento. “Somente a nossa horta tem 4 mil metros quadrados, mas já estamos planejando a sua ampliação para chegar, futuramente, a 20 mil metros quadrados. Vamos continuar não utilizando venenos, tudo será muito saudável”, adianta.

Entre as metas das famílias também está a conquista da certificação orgânica dos produtos e o fortalecimento da cooperação e da relação direta com os consumidores. Para isto, estão elaborando projetos para construir a estrutura física necessária para aumentar a produção de alimentos. “Além de servir para o nosso próprio consumo, a iniciativa vai abrir portas para a população de Passo Fundo ter uma alimentação mais sadia”, argumenta.

6-3
Foto: Catiana de Medeiros

Ocupação virou acampamento

A área onde os Sem Terra montaram acampamento pertence ao advogado Maurício Dal Agnol, que, num período de 15 anos, aplicou um golpe milionário em cerca de 30 mil clientes que venceram ações judiciais contra empresas telefônicas no Rio Grande do Sul. Segundo informações divulgadas em 2014 pela Polícia Federal, à época ele era proprietário de centenas de imóveis, inclusive um apartamento de quase R$ 14 milhões em Nova York.

As famílias do MST, oriundas das regiões Norte, Serrana, Centro e Alto Uruguai do estado, ocuparam o local em 2014, numa mobilização conjunta para defender os direitos das vítimas de Dal Agnol e exigir a desapropriação da fazenda de 350 hectares para a reforma agrária. Hoje, os acampados vivem num espaço de 6 hectares, mas eles têm o controle de mais 90 hectares – 30% desta área é composta de mata nativa.

Conforme o Ministério Público, o advogado teria lucrado mais de R$ 100 milhões em causas que defendia contra empresas telefônicas – em algumas situações os seus clientes ganhavam entre R$ 300 a R$ 400 mil. Dal Agnol foi acusado de se apropriar de 90% do valor. Ele deve mais de R$ 31 milhões à Fazenda Nacional e tem todos os seus bens bloqueados pela justiça.

6-4
Foto: Catiana de Medeiros

Fonte: MST.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.