Sem Terra é a única brasileira premiada em Conferência Internacional

Foto: Acervo Pessoal/ Via MST.

Por Maiara Rauber.

As conquistas disponibilizadas pela Reforma Agrária dão aos assentados muito além de um lote de terra. Em outubro de 1989, no município de Anastácio, no Mato Grosso do Sul, 181 famílias ocuparam uma fazenda pertencente à Rede Ferroviária Federal (REFSA) com o objetivo de fazer com que aquela terra cumprisse com a sua função social. Em fevereiro de 1993, 147 dessas famílias foram assentadas naquela área. Entre elas, está a família de Mayara Winie de Lima Bissoli, de 24 anos, estudante de Agronomia no Instituto Educar, em Pontão, na região Norte do Rio Grande do Sul. O curso acontece em uma parceria entre o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o Programa Nacional na Reforma Agrária (Pronera) e a Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS).

Filha de assentados, Mayara nasceu e cresceu no Assentamento São Manoel, local em que seus pais lutaram para conquistar junto ao Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Atualmente seus pais são separados, porém a mãe, Josiane de Lima, 42 anos, e dois dos irmãos de Mayara, continuam no mesmo assentamento. Já o pai da estudante, Marcio Bissol, 45 anos, foi acampar novamente e hoje possui um lote no Assentamento Emersom Rodrigues no município de Terenos, no MS, onde mora com mais um irmão de Mayara.

No assentamento onde reside a família da graduanda, as famílias trabalham predominantemente com a pecuária de corte. Concomitante a isso, Josiane produz alimentos para o atuoconsumo e leciona na escola do assentamento.

Acervo Pessoal - Mayara Agronomia 2 .jpg
Acervo pessoal 

Acadêmica nota 10

Mayara estudou todo o ensino fundamental e médio em uma escola pública no Assentamento São Manoel. Ao concluir os estudos regulares, a futura agrônoma realizou a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e foi chamada para universidades do seu estado. Porém, sairia muito caro para família mantê-la, com as despesas de aluguel e dos estudos. No ano seguinte abriu uma turma de Agronomia pelo MST em Pontão, no RS. A estudante contou à Página do MST que mesmo não sendo a sua primeira opção de curso, decidiu iniciar a graduação no Instituto Educar. O Movimento oferece, como forma de auxilio aos estudantes vinculados ao Pronera, alojamento e alimentação, facilitando assim o acesso.

Agora, no final do seu curso, de acordo com Mayara, foi proposto aos graduandos realizarem seus Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) voltados a temas da realidade dos Sem Terra e dos locais onde vivem. “O objetivo foi dar visibilidade às experiências dos assentamentos de Reforma Agrária”, pontua. Para tanto, ao escolher sua área de estudo, ela optou por pesquisar e relatar a experiência do Grupo Baru, um coletivo de mulheres, que ocorre no assentamento onde mora.

O recorte utilizado pela estudante foi estudar esse coletivo. O trabalho foi intitulado: “Empoderamento de agricultoras através da coleta e beneficiamento de frutos do cerrado no Assentamento São Manoel, Anastácio-MS”. Ao finalizar sua pesquisa e defendê-la, a filha de assentados foi aprovada com nota máxima.

Acervo Particular - Mayara Agronomia 1.jpg
Acervo pessoal 

Sem Terra entre os premiados

A convite do professor e orientador Vanderlei Franck Thies, Mayara e alguns de seus colegas enviaram seus trabalhos para a III Conferência Internacional sobre Agricultura e Alimentação em uma Sociedade Urbanizada (The Third International Conference Agriculture and Food in an Urbanizing Society).

O evento foi realizado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) no mês de setembro de 2018. Nele, havia a possibilidade de inscrição em duas categorias: trabalho cientifico e/ou relato de experiência. Segundo Mayara “cada categoria possuía diversos grupos com temas diferentes” e os graduandos deveriam verificar em qual dessas categorias seu trabalho se encaixava.

A acadêmica nota dez enviou para a seleção do evento um artigo sobre a parte teórica do seu TCC e um relato de experiência sobre a parte prática do mesmo. Ambos foram selecionados para apresentação na conferência sediada pela UFRGS. Na conferência, Mayara realizou as duas apresentações. Como o TCC foi dividido em duas partes, a estudante optou por renomear os trabalhos. O artigo foi denominado “Empoderamento feminino e sociobiodiversidade do Cerrado brasileiro: o caso das mulheres agricultoras de Anastácio – MS”, o qual trata sobre a história do Grupo Baru com foco na discussão sobre a autonomia econômica e o empoderamento dessas agricultoras. Já o relato de experiência foi nomeado de “Coleta e beneficiamento de frutos do Cerrado brasileiro: o caso das mulheres agricultoras de Anastácio-MS”, sendo que esse teve como objetivo principal destacar o trabalho desempenhado pelo coletivo das mulheres.

Segundo Mayara, ter seus trabalhos selecionados para o evento de nível internacional foi muito satisfatório.“Gostei muito dos debates e discussões, até porque nosso curso é voltado para o estudo agroecológico. Esses debates sobre produção de alimentos sustentáveis são muito importantes para nossa formação”, explicou.

Mais de 30 países participaram da conferência, com trabalhos de graduandos, mestres e doutores. Mayara foi a única brasileira premiada pelo seu relato de experiência, a qual recebeu uma quantia em dinheiro e um certificado. Por isso, para ela, o significado dessa conquista foi maior do que o esperado. “Isso representou que nosso curso pelo Movimento em parceria com a UFFS dá muito certo. E ainda, que o estudo público e os filhos de assentados da Reforma Agrária também são capazes e não perdem em nada para estas grandes universidades. Nossos cursos também são de alta qualidade e isso abre portas para continuar com a parceria e abrir novas turmas”, acrescentou.

Mayara destacou o empoderamento que visualizou a partir do seu trabalho: “Esse prêmio também representa a força das mulheres do campo, pois na verdade quem foi premiada foi a história de vida das agricultoras do Grupo Baru”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.