Sem água e desassistida, população prejudicada por crime da Vale vive ‘caos’

Ao menos 16 municípios tiveram abastecimento de água comprometido após contaminação do Rio Paraopeba. Coordenador do MAB alerta ainda que há famílias que não foram visitadas pela mineradora

Crime da Vale
“A Vale gasta muita energia e finança para dizer que está tomando providências, mas a prática real dela não é essa”, afirma MAB
(Corpo de Bombeiros Militar MG)

São Paulo – Um mês após o crime da Vale em Brumadinho, Minas Gerais, a situação ainda é de “grande caos”, como descreve o coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Ubiratã de Souza Dias em entrevista ao Seu Jornal, da TVT. De acordo com ele, pesam sobre a população local um clima fúnebre e de muita revolta com o acontecimento que deixou ao menos 180 pessoas mortas e outras 130 desaparecidas.

As consequências do crime da mineradora ainda vão muito além da cidade atingida. Após o rompimento da barragem, em que toda a lama de rejeitos tóxicos foi despejada no Rio Paraopeba, contaminando-o, o sistema de abastecimento de água de 16 municípios, com cerca de 850 mil pessoas ao todo, também foi comprometido, criando ainda nessas populações um clima de maior incerteza e de descrença quanto a capacidade da Vale de resolver os problemas.

“A Vale gasta muita energia e finança para fazer e dizer na mídia e para a sociedade que ela está tomando todas as providências, mas a prática real dela não é essa”, contesta o coordenador do MAB. Isso porque, de acordo com Dias, só na região de Pará de Minas, uma das mais afetadas, há moradores que, um mês depois da tragédia, ainda não foram assistidos pela mineradora.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.