Seleção argentina cancela partida com Israel após pressão internacional

Movimento BDS comemora decisão dos atletas: "A camisa não se mancha".

Por Lúcia Rodrigues, Ibraspal.

A seleção argentina de futebol cancelou o amistoso que disputaria contra Israel, no próximo dia 9, na cidade de Jerusalém, na Cisjordânia ocupada.

A decisão foi tomada após os jogadores argentinos se reunirem com o presidente da AFA (Associação de Futebol Argentino), Claudio Tapia.

A pressão internacional contra a realização da partida foi fundamental para demover o selecionado argentino de disputar a partida.

Um grupo de 70 crianças palestinas haviam enviado uma carta ao craque da seleção argentina e do Barcelona, Lionel Messi, pedindo para o jogador não participar da partida com Israel.

O presidente da Associação de Futebol Palestino, Yibril Rayub, também já havia encaminhado documento à AFA advertindo que Israel se aproveitaria do amistoso para fins politicos.

Vários protestos contra a realização do jogo começaram a pipocaram por vários países devido à carnificina praticada por Israel contra palestinos que participaram pacificamente da Grande Marcha do Retorno.

“Expressamos nossa imensa alegria e agradecimento a todas as pessoas e organizações que apoiaram e difundiram a campanha #ArgentinaNãoVá, e as diversas manifestações em diversos países”, comemorou o movimento BDS (Boicote, Sanções e Desenvestimentos) da Argentina, que liderou a pressão para a seleção não jogar com Israel.

A nota divulgada numa rede social, também agradece a equipe que vai disputar a Copa do Mundo na Rússia. “Agradecemos ao corpo técnico e aos jogadores da seleção por terem escutado nosso pedido.”

+ Impressionante carta a três jogadores da seleção argentina

+ Vitória! A camisa não se mancha!

“O Estado de Israel descumpre a resolução 194 das Nações Unidas, que estabelece que os refugiados palestinos podem voltar as suas terras de onde foram expulsos há 70 anos. Descumpre também a resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, que ordena a retirada das forças de ocupação israelenses dos territórios ocupados desde 1967. Viola sistematicamente as convenções de direitos humanos e direitos das crianças. Israel descumpre a resolução da Corte Penal Internacional que o obriga a derrubar o muro do apartheid”, reforça a nota.

O documento destaca ainda a repressão imposta pelos israelenses aos palestinos cotidianamente. “O povo palestino sofre violações diárias. Bombardeios e assassinatos indiscriminados, inclusive de crianças, demolição de suas casas, bloqueio ao acesso de alimentos, medicamentos e insumos básicos para a vida.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.