Sea-Watch, Carola Rackete está livre. A juíza anula a prisão: “Ela agiu para salvar os migrantes”

Um longo dia de espera. Então às 20h o veredicto da magistrada de AgrigentoAlessandra VellaCarola Rackete, a comandante do Sea-Watch 3, está livre após quatro dias em prisão domiciliar. A juíza de instrução foi muito além do pedido dos promotores, não validando a prisão da comandante do Sea WatchCarola Rackete, excluindo o crime de resistência e violência a um navio de guerra e considerando que o crime de resistência a um oficial público foi justificado por uma “discriminante” ligada ao fato de ter agido “para cumprir um dever“, o de salvar vidas humanas no mar. Assim, foi revogada a prisão domiciliar decidida pelo promotor que havia solicitado a validação da medida restritiva e a proibição de permanência na província de Agrigento. A juíza também ressalta que a escolha do porto de Lampedusa não foi instrumental, mas obrigatória porque os portos da Líbia e da Tunísia não foram considerados portos seguros.

A reportagem é de Fabio Tonacci e Alessandra Ziniti, publicada por La Repubblica, 02-07-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Para Salvini um novo fiasco. O Ministro do Interior não esconde sua decepção e anuncia ter disposto uma providência de afastamento do território nacional com condução até a fronteira. A prefeitura confirma: “Assinado a ordem de expulsão”. Mas o prefeito Dario Caputo deixa claro que não pode ser cumprido até que Rackete seja novamente interrogada pela promotoria, no âmbito do processo de favorecimento à imigração clandestina.

“Para a magistratura italiana, ignorar as leis e forçar um barco de patrulha Polícia Financeira não são motivos suficientes para ir para a cadeia – foi o comentário de Salvini. Não tem problema: para a comandante criminosa Carola Rackete está pronta uma providência para mandá-la de volta a seu país. Ela voltará para a Alemanha, onde não seriam tão tolerantes com uma mulher italiana que fosse atentar à vida de policiais alemães. A Itália levantou a cabeça novamente: somos orgulhosos de defender nosso país e ser diferentes de outros chefetes europeus que pensam que ainda podem nos tratar como uma sua colônia. A moleza acabou”.

Portanto, Rackete está livre para se deslocar. Em Agrigento, terá que retornar em 9 de julho para o interrogatório diante da promotoria na outra linha de investigação na qual está sendo investigada por favorecimento da imigração ilegal. Enquanto isso, o Sea-Watch 3 saiu de Lampedusa: escoltado por um navio patrulha do Departamento de Finanças, está indo para Licata, onde permanecerá sob o sequestro junto com o navio Mare Ionio da ONG do Mediterrânea. Enquanto isso, o Sea-Watch garante que as operações de resgate no mar continuarão. “Precisamos de uma solução política para que situações como esta não aconteçam novamente”, disse o porta-voz Ruben Neugebauren. E acrescentou: “Estamos muito decepcionados com o governo alemão e com a Europa”.

Da manhã desta terça-feira é também a troca de farpas entre a França e Matteo Salvini. A porta-voz do governo francês, Sibeth Ndiyaye, entrevistada pela BFM-TV, afirmou que a Itália “não é um país indigno”, mas o comportamento de Salvini sobre a questão dos migrantes “não é aceitável”. Na entrevista, Ndiaye explicou que a Itália não esteve “à altura” em relação ao acolhimento e acrescentou que “estamos falando de vidas humanas: se as leis do mar podem ser aplicadas, então devem ser aplicadas”. No que diz respeito à investigação sobre Carola Rackete, já fonte de atrito entre Roma e a AlemanhaNdiaye acrescentou: “É evidente que se deve respeitar a justiça de um país soberano. É o que eu esperaria para a França de parte de qualquer outro país e é isso que fazemos em todas as circunstâncias”. Paris não pretende, portanto, pedir sua “liberação”.

Palavras às quais Salvini imediatamente replicou: “Meu comportamento sobre a imigração é inaceitável? Que o governo francês pare de insultar e abra seus portos, os italianos já acolheram (e gastaram) demais. Próximos barcos? Destino Marselha“.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.