Sair da letargia defendendo os interesses do Brasil

Por José Álvaro de Lima Cardoso.*

Conforme importantes especialistas vêm defendendo, a crise mundial do petróleo, que levou o preço de mercado da Petrobrás ao nível do chão, recupera o importante debate sobre a necessidade do governo utilizar recursos públicos para capitalização da companhia. Vender ativos, cortar custos e interromper investimentos, neste momento em que existe uma super oferta destes ativos no mundo, com preços no fundo do poço, é péssima saída. Os problemas que a Petrobrás enfrenta neste momento – decorrência da combinação de crise mundial e efeitos da Lava-Jato – não são apenas da empresa, mas também do governo brasileiro. Trata-se da companhia que viabilizou a saída do Brasil de uma condição de dependência absoluta no campo energético em 2002, para uma de autossuficiência para todo o século XXI em função das descobertas do pré-sal.

O governo tem que estudar inclusive a possibilidade de utilizar parte das US$ 370 bilhões de reservas cambiais para capitalizar a empresa. Porque não deveria? A guerra do petróleo é jogo pesado. Trata-se de viabilizar, neste momento difícil, o fluxo de caixa da maior produtora de petróleo do mundo, entre as companhias de capital aberto, e que responde por 10% de todo o investimento em formação bruta de capital do país. Especialmente porque a dívida atual da empresa se deve, fundamentalmente, aos grandes investimentos que em determinado momento, a colocaram na condição de maior investidora do mundo. Em 2008, em função da crise do crédito, das hipotecas de alto risco (subprime), dezenas de bancos dos Estados Unidos e da Europa foram socorridos pelos governos. O plano de auxílio ao sistema financeiro do governo Bush, era superior à bagatela de US$ 2,6 trilhões.

Porque não capitalizar uma companhia (com uma fração das reservas cambiais) que é a zeladora da exploração correta do pré-sal, nosso passaporte para o desenvolvimento? O pré-sal é uma das poucos reservas que consegue ser competitiva mesmo com o barril abaixo de US$ 30 dólares, por trabalhar com um dos menores custos de produção do mundo (US$ 8). Segundo estudiosos do setor de petróleo no Brasil, a estatal tem estoque de campos de petróleo em atividade, nos quais os investimentos já foram amortizados. Isso possibilita que a Petrobrás continue produzindo com o preço no patamar atual. Quantas empresas no mundo podem contar com esse tipo de vantagem?

Claro que quando acabar o estoque nos poços onde os investimentos já estão amortizados, a empresa terá que se adequar aos custos de extração compatíveis com o preço do barril. Mas aí o cenário mundial tende a ser outro. Além da empresa continuar investindo em tecnologias mais sofisticadas, que permitirão continuar reduzindo custos de extração, a conjuntura do petróleo já terá mudado. A Arábia Saudita não vai manter sua estratégia de bombear petróleo mesmo com o baixo crescimento mundial, porque essa ação tem limites. No país o petróleo responde por 85% das exportações e metade do PIB. Nos últimos dois anos a receita do petróleo caiu 88%, causando um déficit orçamentário de US$ 39 bilhões, o maior de sua história.

Apesar das incansáveis tentativas, a Petrobrás não vai morrer, porque dispõe de quadro técnico extremamente competente e detém a melhor tecnologia em águas profundas e ultra profundas do mundo, desenvolvida contra tudo e contra todos. Mas a gravidade da crise requer força e energia. Descartar ativos estratégicos e rentáveis, de forma pusilânime, para tentar dar explicações para entreguistas e puxa sacos de multinacionais do petróleo, não vai resolver. O que pode resolver é, utilizando informação estratégica e tendo compromisso com o Brasil e com o seu povo, sair da letargia.

* Economista e supervisor técnico do Dieese em Santa Catarina.

Imagem: sindipetroce-pi.org.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.