Reunião de equipe de governo revela ausência de plano nacional. Alvo é o Estado

Video divulgado da reunião ministerial do dia 22 de abril mostra que o governo Bolsonaro não possui um plano nacional, apenas ataques ao Estado

Foto: Captura de tela

São Paulo – O vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril mostra que o governo Bolsonaro não possui um projeto nacional, apenas planos de ataques ao Estado. A afirmação é da cientista política e especialista em segurança pública da Universidade Federal Fluminense (UFF) Jacqueline Muniz, à Rádio Brasil Atual, nesta segunda-feira (25).

Divulgado na última sexta, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), o vídeo mostra apenas xingamentos, discursos autoritários e argumentos de diversos ministros com ideias para o desmonte do Estado. Para a especialista, Bolsonaro é o Brasil abandonado.

“O vídeo da reunião mostra que o Brasil não participou da reunião. Os temas reais e problemas do país não chegaram ao governo. Não há um plano nacional, não há políticas públicas. Aquilo só mostra que o presidente quer seus pedidos pessoas atendidos de forma autoritária. O que menos tinha ali era o espírito democrático e republicano”, criticou, ao lembrar que o novo coronavírus não foi sequer citado, exceto por alguns que diziam acreditar que a pandemia estaria caminhado para o fim.

Genocídio no Rio

Dois jovens foram assassinados, no Rio de Janeiro, na semana passada, durante ações policiais em favelas da capital. Na segunda-feira passada (18), João Pedro Mattos Pinto, de 14 anos, foi morto dentro de casa. Na quinta-feira (21), Rodrigo Cerqueira, de 19 anos, levou um tiro da polícia enquanto doava cestas básicas no Morro da Providencia.

A especialista em segurança pública firma que no Rio de Janeiro, as operações policiais são feitas cada um a seu modo, sem um planejamento articulado. “É uma autonomização do poder policial. Isso é uma indicação que a economia política do crime não pode parar”, criticou. Na avaliação da professora, a atual crise sanitária seria um momento das policias voltarem a “fazer policiamento e parar de sair dando tiro por aí, já que o papel é servir e proteger, não alimentar uma falsa guerra”.

A especialista acrescenta que essa violência é estimulada pelo governador Wilson Witzel (PSC), desde quando foi eleito. “São inadequadas, não tem qualidade técnica, são desastres que não produzem ordem ou segurança, mas maximizam a morte. É uma síndrome do peito de pombo, onde acham que podem fazer o que quiser sem controle”, criticou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.